Racismo primário – pertencemos todos!

(Isabel Moreira, in Expresso Diário, 30/01/2020)

Este podia ser um texto jurídico. Um texto a explicar que a Constituição rejeita o racismo, que a República quer dizer alguma coisa, que somos mesmo todos e todas iguais perante a lei.

Esqueçam o Direito. Por um instante.

O que temos visto por estes dias por parte de André Ventura é o regresso à essência mais radical do racismo.

André Ventura usa das palavras – e as palavras têm muita força – para nos devolver ao horror da separação de identidades entre brancos e não brancos. Quem diz identidades diz pertenças. O não branco não pertence, o branco pertence. Daí que lhe saia sem pudor a proposta de deportar a Deputada portuguesa Joacine Katar Moreira, uma não branca que ele faz por identificar como estrangeira, ela que vá para a “terra dela”, eis o apelo aos instintos primários do racismo.

Não consegue o racista André Ventura dizer de mim o mesmo, não consegue sugerir que eu vá para o Brasil, onde nasci, porque não surte efeito. No lodo racista ninguém ousa não identificar-me como portuguesa de origem, natural de gema da terra lusa, enquanto que a pele negra tresanda a estrangeiro.

O regresso de André Ventura à essência do racismo faz dos corpos fronteiras, lugares, este e aquele corpo são ou não daqui consoante a pigmentação, não há cá cidadania no seu discurso fora da lei.

Evidentemente esta jogada monstruosa conta com o racismo presente na sociedade, racismo tão evidente que quando se fala nele salta a indignação em vez de saltar a reflexão.

Portugal é dos poucos países que conheço onde o racismo não é unanimemente reconhecido como um problema sério, estrutural, sendo antes visto como uma “causa” de alguns ativistas que vieram atrapalhar a calma lusa.

Assim sendo, neste caldo, André Ventura avança e adianta que se Joacine Katar Moreira pensa o que pensa é caso para perguntar porque não se vai embora.

La está. Mais uma vez faz de uma deputada portuguesa uma visitante. E faz do racismo um problema das pessoas racializadas. Como se não devesse ser um desconforto ético e moral para qualquer pessoa a existência de racismo, de sexismo, de homofobia ou de qualquer tipo de fenómeno discriminatório, independentemente de se pertencer a uma categoria discriminada. Seria caso para eu fugir do mundo, sendo mulher, por causa do sexismo? Não, mas a resposta é a mesma em relação ao racismo não sendo eu uma pessoa racializada.

A pergunta de Ventura é estúpida mas carregada de intenção. A intenção é a de sempre: gerar divisão, ódio, para crescer nessa onda.

Não é preciso explicar que não se concorda com a proposta x ou y de Joacine Katar Moreira para depois se dizer que estes dias foram alucinantes. As propostas devem ser debatidas com argumentos racionais, em sede própria.

O que não podemos admitir, o que deve merecer a nossa luta feroz, a luta de todas e de todos os democratas, é o racismo primário de Ventura, um cobarde cheio de vergonhas.

Pertencemos todos.


Advertisements

22 pensamentos sobre “Racismo primário – pertencemos todos!

  1. No princípio era o verbo.
    Eduardo Mondlane .. em comparando Moçambique (Portugal) com África do Sul (RAS).
    1951: «nós não temos uma barreira de cor ou discriminação racial no nosso país…Sou cidadão português, no meu país não temos leis de segregação…
    1954: o que não posso suportar é a falta de liberdade de expressão…
    Nascido em Lourenço Marques, educado em Johansburgo.
    Primeiro presidente da FRELIMO.

  2. «Portugal é dos poucos países que conheço onde o racismo não é unanimemente reconhecido como um problema sério, estrutural»…Or
    That is the economy…Miss?

  3. Sim, a Joacine até não faz nada por isso.

    Desde a única bandeira presente no palco da sua celebração de vitória ser a de um país estrangeiro até querer a entrega de património nacional a países estrangeiros que nunca o tinham pedido, vê-se que a Joacine se preocupa imenso com ESTE país. Já insultou os símbolos nacionais e nem o partido dela respeita.

    A sensação que dá a toda a gente é que foi eleita como representante de interesses estrangeiros.

    E não vejam com tretas do racismo, que já existiram deputados negros, do CDS e PS e foram aceites por toda agente e nunca houve qualquer problema.

    Aliás o ridículo destas acusações de racismo está patente quando ela já começa a chamar o Daniel Oliveira de extrema direita e o a dar a entender que o seu próprio partido terá problemas com ela por ser “uma mulher negra”.

    Parece que a esquerda está apostada em criar ódio para depois poder justificar a sua existência com a existência de ódio.

    Não gostam do ventura? Eu também não, mas foi a ESQUERDA que fez com que o gajo fosse eleito com estas palhaçadas todas. Se isto continua o gajo ainda chega a PM.

  4. Por falar nisso, não é só o Ventura que se quer livrar dela e que dava tudo para ela ir para longe, grande parte das pessoas que a elegeram já não a podem ver e consideram que foram enganados.

    Votaram num partido de esquerda moderada e saiu-lhes uma radical identitária que espelha o racismo da extrema direita.

    N\ao só o partido não a pode ver, como tenho falado com pessoas que votaram nela. Eu próprio por pouco não votei – do que me teria arrependido amargamente.

    Vejam este.

  5. Que orda de invecis. Julgam-se donos da verdade, guardiões da ética, campeões
    das liberdades, hipócritas facciosos, condenam rancorosa e odiosamente ao ostracismo o Ventura, pois nesse é para malhar. Não foi por acaso também ele eleito democraticamente? O que disse foi politicamente insensato mas populisticamente certeiro e o que disse é uma tirada óbvia de um populista. E é óbvio que não tem nada de racista.

  6. não creio que a resposta do André ventura seja racista ou xenófoba ,a posição tomada pela deputada do livre essa sim não é digna de um deputado da nação ,que deve defender Portugal já que foi eleita pelo povo português para o representar no parlamento,como tal se está mal com Portugal mude~se para onde se sinta bem e não procure em todas circunstancias catalogar os portugueses como racistas.

  7. É evidente que foi racista, independentemente de ser por convicção ou por oportunismo, ou até da falta de qualidade da deputada para o lugar. Quis assobiar uma frase feita para efeitos políticos e isso tem um nome.
    Muito se podia discutir, da história à sociologia, sobre a justeza ou falta dela da medida, mas para quê? Não há dinheiro num país auto-colonizado, por isso a substância é a troca de insultos em que ganha quem pertence à maioria.
    Não faz mal, daqui a pouco há outro espancamento por parte da bófia para voltarmos a discutir se o país é racista ou não enquanto os próximos Ricardinhos, Isabelinhas, Gaspares e Centenos mantêm o país como está.

    • Pois é pá.

      O povo português é nazi.

      Nem sei como é que a esquerda gosta tanto do povo.

      Ah. Não gosta… Só gosta de garganta…

        • ????

          Então estão se estão constantemente a acusar o inteiro de ser “estruturalmente racIsta”, o país é composto por quem?

          Se todas as outras raças são perseguidas em massa, quem é que as persegue.

          Se são constantemente e em toda a parte perseguidas e discriminadas, quem é que as persegue e discrimina a essa escala de massas? Meia dúzia de “fascistas”?

          Se um centésimo das calúnias que vocês inventam fossem verdade a esmagadora maioria da população teria de estar envolvida.

          Tem vergonha pá, a esquerda odeia é o povo português.

          • Já lhe disse, as instituições, desde os tribunais às forças de segurança. Não vou ao extremo de dizer que os cidadãos que têm que cuidar da sua vida são racistas por não quererem saber, mas não deixa de contribuir para que haja cidadãos de terceira e de quarta.
            Ou então vamos fazer de conta que alguém alguma vez diria a alguém como Cristas ou Mia Couto para irem para a sua terra.

            • – Então as instituições democráticas são todas nazis, o povo é que não.

              “Só” é culpado de virar a cara á terrível perseguição que segundo vocês está a decorrer.

              Isto é, é nazi á mesma…

              As instituições democráticas portuguesas devem ser nomeadas e eleitas pelo Hitler que escondido numa base na Antártida comanda os destinos de Portugal. Vocês são pouco dementes são.

              Como é óbvio as instituições refletem o povo, os juízes e os policias são pessoas do povo português, não são recrutados entre SS alemães.

              – MENTIRA.

              Ele mandou-a para a terra dela porque ela TEM outra terra, é imigrante e até tem dupla nacionalidade. Segundo vocês sendo esta a europa a “terra má” obviamente deve voltar para aquela terra africana tão boa onde toda a gente é tão bem tratada…

              DUPLAMENTE MENTIRA.

              O termo “vai para esta ou aquela terra” é comumente usado na conversação portuguesa mesmo em relação a pessoas de raça branca que nasceram cá.

              Por exemplo, os direitistas mandam todos os dias, milhares de vezes, os esquerdistas para Cuba ou a Coreia do Norte.

              Do mesmo modo eu já mandei direitistas brancos como a Cristas e afins MUITAS VEZES imigrar para a Alemanha, onde poderão defender os interesses da banca alemã, ou para o Burlina Faso, onde poderão viver as delícias de uma sociedade sem estado social.

              A vossa aldrabice de que qualquer critica, ironia ou humor em relação a pessoas de outras raças é perseguição racista é em si mesmo INCITAMENTO AO RACISMO.

              Você é muito mais racista que o Ventura e devia responder em tribunal por isso.

              Vocês são CRIMINOSOS que estão a incitar as comunidades nacionais umas contra as outras.

  8. Entretanto no Parlamento Europeu… https://www.euronews.com/2020/01/29/watch-nigel-farage-in-flag-waving-row-during-brexit-bill-debate.

    Pois é, ao mesmo tipo de postura tonta (Farage e Joacine), 2 respostas que acabam por ser similares no conteúdo – não gostam, não querem, vão para a vossa terra (no caso do Farage até é mesmo isso que vai acontecer) -, mas enquanto a resposta utilizada no Parlamento Europeu é saudada de forma unânime, a resposta do Ventura é vilipendiada e até motivou o mais que previsível pedido de voto de condenação…

    Parabéns, continuem assim…

      • A única diferença que me apraz registar é que temos, de um lado, um representante dos eleitores de um país que, mal ou bem, defende os interesses desse mesmo país e, do outro, a suposta representante dos eleitores de um país que, mal ou bem, defende os interesses de países terceiros. Só isto

        • A diferença é que os britânicos decidiram por si próprios sair de uma organização económica por acharem que não serviam os interesses do país, mas podem voltar quando lhes apetecer – quer a nível institucional, quer a nível individual – nas mesmas condições que todos os outros.
          O Ventura quer que uma portuguesa saia de Portugal, e que, saindo ou não, seja tratada de maneira diferente.

          • Ok, mas a Joacine também pode sair de Portugal, se se sente assim tão acossada e tratada/em perspectiva de ser tratada de maneira diferente. Vá para a Guiné-Bissau, esse paradigma da democracia

            • De facto é muito estranho.

              Estando a esquerda sempre a apresentar todos os países ocidentais como estados racistas que perseguem brutalmente as pessoas de outras raças, como é possível que centenas de milhões dessas pessoas tentem imigrar para esses países ocidentais onde supostamente são brutalmente tratadas.

              Alguém aqui está a mentir…

          • Acho que qualquer português, de qualquer cor, que deteste viver em Portugal deve emigrar.

            Não se percebe que queira prolongar o sofrimento ao ponto de IMIGRAREM PARA CÁ.

            Eu por exemplo nunca imigraria para a Coreia do norte.

            Mas a Joacine e a sua família devem ser do sado-maso.

            Ha, vamos emigrar para um país onde somos perseguidos e tal…

            Está-se mesmo a ver.

    • (…) “não gostam, não querem, vão para a vossa terra (no caso do Farage até é mesmo isso que vai acontecer”.

      O farage e o boris, “levam” os britânicos “para a sua terra”, mas É por iniciativa própria e de 50,1% de votantes ! Os outros 49,9 % NÃO QUEREM !

      Nem, que eu saiba, nenhum dos outros países da União Europeia, mostrou, ou sequer sugeriu essa vontade, antes pelo contrário…

      Qual a “semelhança” que encontra entre o farage e o ventura, este, com o “argumento” da côr da pele ?

      • Caro peralta, não seja mentiroso que o ventura em momento nenhum mencionou a cor da pele.

        Quem passa a vida a falar disso é a esquerda…

      • Eu já disse muitas vezes que os ingleses já deviam ter-se pirado há muito tempo, que só estão a destruir o projecto europeu por dentro.

        Foram os porcos dos ingleses que introduziram o neoliberalismo na Europa, de que aliás a esquerda tanto se queixa.

        Os alemães que mandam na europa, nesse aspecto são apenas os bons alunos da Tatcher, a política mais popular de sempre para aquele povo rasca da inglaterra, tal como a Merkel é a política mais popular para os rascas dos alemães.

        Eu já fui europeísta e deixei de acreditar na europa, não pelas demências esquerdistas de que a UE caiu de pára-quedas no continente e os seus povos não têm nada a ver, mas pelo contrário, porque realmente povos que elegem a Tatcher e o Passos têm de ser muito rascas e não tenho nada a ver com esta porcaria.

Responder a lggarcia00 Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.