Um problema de sarna

(In Blog O Jumento, 21/01/2020)

A grande investidora, com direito a Ministro e tudo….

Os nossos capitalistas democratas, especialistas em vender quotas das suas empresas a endinheirados em busca de lavatório, rebaixaram-se perante a filha do ditador angolano a um ponto que metia nojo a qualquer ser humano.

Basta ver as imagens televisivas de passagens da rapariga por  Lisboa para vermos empresários, advogados, jornalistas e governantes a sorrirem de uma forma tão bajuladora que quase nos ofendiam enquanto portugueses.
Agora que a senhora pode ter caído em desgraça, vítima de uma golpada que ofende os mais elementares princípios constitucionais de qualquer democracia, eis que vemos todos estes cobardes a dizerem que nunca conheceram a pessoa ou que não lhes passaria pela ideia a hipótese de a sua fortuna ser questionável. Fogem dela como o diabo da cruz e só não sugerem o seu internamento compulsivo num leprosário porque já não existem.

Quem sempre criticou a ditadura do MPLA, o roubo dos recursos angolanos pelas elites do partido no poder, é agora ultrapassado por uma matilha de gatunos, de velhacos que não hesitaram em lamber o rabo à ricaça, na esperança desta lhes dar uma gorjeta, talvez uma assessoria bem remunerada, uns casos de contencioso ou, muito simplesmente, uma boa gorjeta. Aqueles que ganharam músculo financeiro à custa do dinheiro fácil de Angola, dizem agora estar a reavaliar a relação.


Estão esquecidos de quando qualquer labrego do MPLA era recebido honrosamente nos palácios desta burguesia oportunista, ou de quando os nossos jornalistas nos davam a boa nova de uma Avenida da Liberdade cheia de lojas de luxo para vender a angolanos?

A história repete-se, os que bajularam Ricardo Salgado, Isabel dos Santos e muitos outros, são os mesmos que agora dão pontapés nos rabos que no passado lamberam de forma tão servil.


Fonte aqui

Advertisements

5 pensamentos sobre “Um problema de sarna

  1. ó estática então com tão boas fotos que há entre 2011 e 2015 dos marajás portugueses à época a rebolarem-se naqueles sofás africanos feitos de pele de jacaré e elefante quais cãezinhos de circo a fazer gracinhas com o olho no torrãozinho de açúcar da melhadura, vens prantar aqui o mais sério dos homens sérios que até abandonou a governança para não ter que fazer estes e outros fretes, olha que é preciso ter lata, nã te trates não tás a ficar assim dum jeito que é dum homem gritar bem alto já basta, CHEGA.

    • Hum?

      Nota. Ó Jovem, meu bronco, existe um álbum de fotografias graaaaaannde sobre a jóia da nossa antiga província ultramarina que se expõe aos olhos dos interessados que não usam palas nem dialogam com os cascos como tu. De todas a minha imagem favorita é a do Jorge Coelho do PS dos negócios com Angola, durante uma visita do Cavaco Silva ao que me recordo ao engenheiro José, não não é esse que esse engenhocas foi arrumado antes!, dizia, José Eduardo dos Santos nna placa do aeroporto (?) a lamber as botas do Manuel Vicente então na Sonangol ao que me lembro. Era o escolhido, daí se explicando essa cerimónia de público lambe-botismo, vulgo lambe-cu.

      Mas poderia ser o Luís Amado, do PS, o Paulo Portas, do CDS, ou o Martins da Cruz, do PSD, a teoria sobre o irritante do Santos Silva, que toda esta gente em relação a Angola deveriam encher-se de vergonha e pintar a respectiva tromba de preto, ou assim.

      • Adenda. Ah, e a escolha da fotografia terá que ver com o investimento da princesa Isabel na Efacec que é o ponto alto da versão-Costista da cobertura institucional socialista durante o saque daquilo que já na altura se sabia sobre a lavandaria portuguesa dos milhões roubados em Angola. O totó Manuel Caldeira Cabral fica assim retratado paraca posterioridade…

      • Adenda-bis. Toma lá, pázinho, um pouco de luz (e de quentinho para glória dos radiadores da Efacec).

        […]

        Asterisco. «De alguma forma o José Gomes Ferreira, da SIC, já fez recuar a fita dos acontecimentos até às relações do Cavaco Silva com o JES. Depois Durão e vai até ao BIC que agora é dirigido pelo Teixeira dos Santos, o ministro das Finanças que nos levou à falência. Pois é, mas esquece-se, digamos, que antes era o Mira Amaral que tem um dos lugares cativos no seu programa da SIC N. Apesar das idiossincrasias, e do voluntarismo, a voz da Ana Gomes é mais verdadeira: os não sei quantos da Cruz, [Martins da Cruz], o Paulo Portas, um tipo do PS que trabalha agora para o Obiang, [Luís Amado], o Santos Silva com a teoria do irritante toda essa gente deveria prestar esclarecimentos. Tal como o Carlos Costa pois o BIC não está sob os holofotes do Banco Central Europeu mas directamente sob a supervisão do BdP.», cito-me sem manias mas substantivamente parece-me.

  2. Nem mais verdadinha,eu que trabalhei na Nós muito anos quando soube que essa cabra era acionista,baldei-me logo.. Deus tarda, mas não dorme..

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.