Uma outra visão sobre a greve dos camionistas

(João de Sousa, 12/08/2019)

A direita nacional, que é uma coisa diferente dos partidos que ela costuma normalmente apoiar, escolheu o PS como mal menor para as próximas eleições. A ideia é tirar a ala esquerda do PS, o BE e o PCP da área do Poder. Neste momento está a apoiar o governo,e não a greve, por essa razão.

O PS por razões puramente eleitorais está a pôr gravemente em causa uma conquista essencial do 25 de Abril. O António Costa, que nunca vi numa luta estudantil do lado dos estudantes, está a revelar-se muito bom como fura-greves.

Para já conseguiu arrecadar uma receita fiscal 100 % superior ao normal. Do mesmo modo o impacto no crescimento induzido pelo consumo, em que parecia ter desacreditado, vai ser de mais 0,5 por cento em resultado do alarme social e da crise gerada pelo governo mesmo antes da greve e de declarar o estado de crise. Isto é a luta pela sobrevivência a qualquer preço. Os princípios que se lixem.

Viva o PS. Mário Soares e Salgado Zenha devem estar às voltas na tumba. Jose Sócrates dve estar às voltas na Ericeira. É o comportamento mais circense e oportunista a que assisto desde o 25 de Abril. Uma vergonha para a democracia.

Desculpem mas esta é a minha opinião. O que se passa neste momento nas empresas da Antram é digno do Salazarismo. Tudo para satisfazer a pretensão de que seja a reforma futura dos trabalhadores a pagar as casas e os carros em que os empresários transformam as “ajudas” do Estado em vez de investirem em capital fixo (FBCF).

Advertisements

17 pensamentos sobre “Uma outra visão sobre a greve dos camionistas

  1. Um grande número de circo, desculpe que eu lhe diga, é o seu comentário. Claro que de acordo com o mesmo posso concluir que é dos que acham que os trabalhadores têm sempre razão ( à semelhança da máxima “o cliente tem sempre razão “). Pois eu, nunca embarco nessas generalizações e depois temos um Pardal (que além de ridículo, popularucho, grande oportunista e desonesto) aparece como o grande defensor da classe (só de uma parte). Então, para si, o governo devia era estar a banhos (e a Twitter na praia) e deixar que a explosão do mau estar se instalasse! Ah e aquela sua máxima de que o governo com esta medida quer é afastar a esquerda de um futuro governo, é mesmo uma anedota.
    E já agora, qual a sua opinião sobre Pardal, sobre a Cavaca, sobre o eterno “chefe” (o Mário da fneprof) ?

    • E qual é a sua, sobre os juízes, os médicos, os da TAP, os da PJ e os funcionários Públicos em geral? Mais, e sobre os grandes ganhadores desta greve, as petrolíferas, tem alguma opinião?

  2. Direitolas disfarçado de gente de esquerda, ou esquerdista disfarçado de gente de esquerda séria, não sei bem a que categoria pertence o autor disto. Sei é que este blog já teve mais critério na seleção daquilo que publica. E é uma pena que dê espaço a lixo deste.

  3. Claro que a opinião aqui expressa por João de Sousa é integralmente redutora porque só vê a greve segundo uma única perspectiva. Ou mais ainda e pior pois faz uma leitura dos acontecimentos como se apenas na contenda houvesse apenas o governo e não houvesse outros contendores que disputam entre si.
    E, pior ainda, para JS nem os portugueses existem ou são chamados ao caso não obstante serem eles os primeiros e quase únicos a sofrer as fortes consequências da greve que, dada a relação directa entre a duração da greve e suas graves consequências directas sobre a vida das pessoas, uma vez declarada a greve como “ilimitada” as consequências tenderão a ser igualmente ilimitadas. Até onde poderiam chegar?
    Nada disso preocupa JS cujo estrabismo o leva a ver tão só os ganhos do governo, ou melhor, segundo o seu forte estrabismo focal só vê o Costa, o grande ganhador batoteiro.
    Dias antes da greve ser decretada o “cm” andava a desenvolver uma teoria segundo a qual o Costa tinha tudo na mão e na sua manga de ilusionista e apenas andava a promover uma “jogada” política para, à última da hora, aparecer como salvador da pátria e a seguir ter uma maioria absoluta nas próximas eleições.
    A grande maioria deste tipo de reflexões sobre o que vai acontecendo acerca da greve não passam de variações acerca da “jogada” de Costa em-vias-de-consumação-insinuada-inventada pelo “cm” mas esta de JS é mesmo o arquétipo de tal ideia do Costa maquiavélico.

    • Ah, grande José Neves sempre a delirar com as suas cenas.

      Nota. Eu ainda não me esqueci das maldades que o sôtor José Preto te fez aqui n’A Estátua de Sal, o sacana!, quando eu comentar algum post do gajo eu prometo que me vingo por ti… Não pense ele que fica a rir, NÃO!

      Creia-me V. Ex.ª Seu Sincero Admirador Am.º e Colega,
      RFC

    • É sempre possível ver uma greve segundo muitas perspectivas, mas vê-la na perspectiva da lei, só mesmo para democratas! além disso, há uns espertos como o José Neves, que preferem vê-las na perspectiva do Estado Novo.

  4. CARTA ABERTA AO SR. ANDRÉ MATIAS DE ALMEIDA
    Boa noite,
    Caro Sr. André Matias de Almeida permita assim chamá-lo, uma vez que curricularmente somos equiparados, talvez eu até lhe ganhe nuns quantos pontos, mas não é isso que interessa.
    Estou a escrever-lhe após a sua prestação ontem no CMTv pelas 20h e após um grande período reflexivo desencadeado pela felicidade efusiva da minha filha de 18 meses, que ficou acordada até à meia noite à espera que o pai regressasse da greve dos motoristas de matérias perigosas e de carga geral.
    Antes de mais, gostaria de felicitar a sua capacidade comunicativa, tem sem dúvida o dom da palavra. O seu poder argumentativo e toda a sua capacidade oratória são de deixar qualquer um deliciado! E sem dúvida que consegue levar o público que o ouve, tal qual um encantador de serpentes.
    Não é à toa que desenvolve bastante trabalho na área da comunicação social.
    Ora bem, voltando atrás ao ponto que referi anteriormente (gosto muito desta sua técnica de retroceder no discurso para fugir às questões colocadas, falando em algo que causará impacto e que levará o interlocutor a esquecer o que falavam anteriormente) o meu marido, como percebeu, é motorista de matérias perigosas e como deve imaginar, novo CCT, ilegalidades no pagamento de subsídios, represálias, excesso de horas, ímanes no tacógrafo e por aí a fora, são conversas que jantam à mesa connosco (quando claro, o meu marido chega a casa no horário que permita jantar em família) e por isso, não posso ficar indiferente ao que referiu ontem em televisão.
    Primeiro vou deixar a minha opinião de que já que não faz as suas intervenções televisivas de um modo politicamente correto, faça-o de um modo ético e moral e não ataque pessoas em tempo de antena, quando estas não se podem “defender” no local. Não fica bem, sabe… Ainda por cima destabilizando os portugueses com a desinformação que fornece para os manipular contra os grevistas.
    Depois, para além do bla bla bla que falou, e que muito sinceramente o meu pobre cérebro já filtra e apenas retém o que é realmente importante, referiu que a ANTRAM propôs seguros de saúde e exames médicos quando questionado pelas míseras baixas médicas a que estes trabalhadores são sujeitos em caso de doença (consequência dos descontos para segurança social e IRS incidirem apenas numa pequena parte do seu vencimento e que o sindicato luta nesta greve).
    Sr. André deixe que lhe diga, que graças a Deus nosso Senhor e ao Sr. Arnaud, a saúde é um bem comum no país onde vivemos através do Serviço Nacional de Saúde! Está decadente é verdade, mas isto também daria uma carta aberta a Sra. Marta Temido.
    Voltando ao ponto que referi anteriormente e pegando num ponto importante que referiu e que eu não posso deixar de falar (esta técnica também é boa! mostra ao interlocutor que o está a ouvir, conquistando-o, mas depois discorda completamente do que este disse e volta a levá-lo na sua ideia), os motoristas não querem descontar um base de 900€ pela sua saúde, pois o seguro apenas abrangeria incapacidades decorrentes de acidentes de trabalho ou de doença relacionada com o trabalho e até se comprovar que o motorista desenvolveu neoplasia pulmonar por inalação prolongada de gases voláteis de combustíveis…ui ui…
    Ou seja, o pobre motorista a padecer de uma neoplasia vem para casa com uns míseros 400€ (se tanto!).
    O mesmo se aplica ao motorista que foi despedido por justa causa por extinção de posto (diz a entidade patronal que em seguida contratou 7 motoristas) , após ter gozado o seu direito à greve, vem para casa com um subsídio de desemprego referente a 65% da referência base dos últimos 12 meses dos 14 meses anteriores ao despedimento, se fizer as contas verá quanto fica para governar a casa.
    Ou então, o motorista que foi pai e que goza do seu direito à paternidade e no primeiro mês de vida do recém nascido e no sexto mês, tem de sobreviver com 83% dos 630€.
    Não sei se é pai, se for percebe o impacto que a chegada de um recém nascido causa no orçamento familiar… Uma doença… Um despedimento…
    Outro ponto que gostaria de referir é aquele que se relaciona com os serviços mínimos e o (in)cumprimento dos mesmos. “Os motoristas trabalharam das 8 às 14h e não abasteceram os postos que costumam abastecer.”
    Ora pois, Sr André, estes senhores não começam a trabalhar às 8h. Almoçam das 13h às 14h e saem às 16h. Não têm carreira, nem têm aumentos salariais há 18 anos.
    Alguns destes senhores começam o seu serviço às 6h, e por isso, às 5h já estão a sair de casa para ir buscar o camião à empresa (sim, não sei se sabe não é em qualquer local que um camião com cisterna de matérias perigosas pode ficar estacionado. Assim como, em caso de furto de gasóleo, mercadoria ou vandalismo da viatura muitas vezes é imputada a culpa e a despesa ao trabalhador) e cumprir o seu horário de trabalho.
    E ali vão eles com, literalmente, uma bomba às costas.
    Descarregar matérias perigosas, sim as matérias perigosas não são só combustíveis! São ácidos, são bases e muitos outros materiais que obedecem a um conjunto de regras, procedimentos e processos que devem ser criteriosamente cumpridos de forma a evitar acidentes graves.
    Voltando ao ponto que referi anteriormente (estou a apanhar o jeito!) o horário dos motoristas é um bocado estranho diga-se de passagem! Só podem conduzir X tempo e depois têm de fazer uma pausa de Y, mas se conduzirem W são obrigados a parar Z… Estejam onde estiverem… A 500, 300 ou até mesmo 15km de casa, sob pena de serem multados por excesso de horário.
    O pobre do meu marido já me tentou explicar tudo isto, mas sou sincera, não consigo de todo entender!
    Mesmo quando são pressionados pelo patrão a usar o íman para que não fique registado o tempo. Há motoristas que não se deixam comprar pelos 20€ de diária se não cumprirem os 5 fretes.
    E lá vou eu buscar o meu marido por vezes, para que possa dormir no conforto da sua cama e da sua família.
    Posto isto, e dado que não me quero alongar, mas terei todo o gosto em o fazer se você assim o desejar, convido-o a trocar esse seu fatinho Slim Fit que deve ter o valor no mínimo do salário base destes profissionais (espero não o estar a ofender), a passar um dia com esta gentalha que come, vive, dorme e trabalha dentro de uma lata, ainda por cima muitos deles só com o 6º ano e que agora lembram-se que querem o maior aumento da história! Onde já se viu?!?
    Pois bem… Mas como já percebeu, sem eles e sem TODOS os portugueses a produzir, o país pára e o governo cai. Quem sabe se um novo 25 de Abril não está mais perto que o que se imagina?
    Sabe uma coisa que valorizo muito na minha profissão Sr. André? É a capacidade empática característica dos enfermeiros, estes desgraçados que às vezes também se lembram de fazer greve, mas infelizmente e por deveres morais e éticos têm mesmo de cumprir os serviços mínimos, porque esses sim, colocam em risco vidas!
    O “seus” serviços mínimos apenas deixam os bolsos dos patrões menos cheios!
    Assim, sugiro que se coloque na pele destes portugueses que também são prejudicados todos os dias, mas que na sua boca, são os maus da fita!
    Atenciosamente,
    Enfermeira Mestre Rafaela Soares, Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica na vertente Nefrológica, com competências desenvolvidas na área de Gestão e Liderança nos Serviços de Saúde, formadora certificada, com trabalhos desenvolvidos na área ecográfica do acesso vascular para hemodiálise.
    (também tenho um bom currículo, não acha? Ah! também domino o Português, Inglês e Espanhol!)

    • Parabéns Sra. Enfermeira Mestre.
      Apesar de ter alguns pontos de divergência com a classe, reconheço na maior parte dos profissionais da enfermagem um valor muitíssimo importante para todos.
      Devo dizer que, não conheço esse André a que se refere, é que se ele passa na TV que cita, eu nunca o podia conhecer, porque simplesmente não vejo esse canal, a não ser para ver um pouco da calhandrice do futebol, um pouco antes de dormir, mas só porque me faz rir e fico mais relaxado para dormir melhor.
      Com certeza, será um direitola que está a ser pago para ajudar o PS/António Costa a ter a maioria absoluta e assim acabar com a união das esquerdas, a Geringonça e assim ficar aberto o caminho, para o poder voltar à direita, pela mão do PS de António Costa e todos os fascistas que o rodeiam no governo!

  5. Ah. grande enfermeira ! A falar parece uma doutora !
    Assim os motoristas não descontam para o IRS. Convêm-lhes não é ?
    Sugiro mudar de profissão !

  6. Este vive no mesmo mundo ?
    Está a dizer o quê?
    Quando falar de Mário Soares ou José Sócrates deve primeiro lavar a boca.

  7. Carlos Moura, falar de Salgado Zenha ou de Mario Soares ou quaisquer outros históricos ou notáveis do P.S. na forma que aqui no artigo está expresso é atacar o que eventualmente será o seu partido? Então para si o que será, ou seja, de que tipo de P.S. é o senhor um adepto?
    Quanto à forma que ironiza sobre um enfermeiro ou seja quem for falar á doutor, não me parece valorizar coisa alguma a não ser uma animosidade para com ambas coisas. OU o senhor está com o propósito de atacar enfermeiros, e, atacar quem tenha feito qualquer outro tipo de especialização – tais como doutoramentos do que seja em termos de área de especialização ?
    A forma que lhe dirige a sua ironia, faz denegrir quer enfermeiros quer pessoas que tenham feito outras especializações, as que forem, E isso é para quê? É eventualmente contra classes de profissionais, algumas delas de forma especifica, e/ou especialização acadêmica? É contra quem não tenha uma especialidade, quer profissional, quer acadêmica?
    As pessoas, em primeiro lugar, quer tenhamos a mesma opinião que elas tenham quer não, e independentemente de suas profissões, são pessoas. O que tiverem em termos de especialização – quaisquer títulos – só os valorizará apenas se em primeiro lugar são ”pessoas” independentemente de quaisquer títulos que tenham, sejam esses os que forem, e, não deixam de ter valor, obviamente, por os ter. Não será assim?
    Nem tal coisa os denegrirá por os ter, tal como não os faz serem mais que ninguém.
    A pessoa, que não conheço de lado algum (e não sou nem enfermeira, nem camionista), que o senhor assim ataca, quer concorde com tudo que o sindicato dela tenha feito quer não, tem uma profissão que merece respeito. Achará que apenas médicos, por exemplo, conseguem afinal saber o que é uma profissão como a dos enfermeiros, para reconhecer quer o que fazem concretamente, quer dar o devido valor a tal profissão? Se precisar (oxalá que não) uma injecção, ou que lhe tirem sangue, por exemplo, prefere que seja um médico a o fazer? Sei que se tiver de haver uma colheita de uma artéria (felizmente, que saiba, coisa nada usual, por isso o que sofrerá quem tal coisa precisar, não terá aquele benefício do treino de um enfermeiro para que seja fácil), terá de ser tanto quanto saiba executada por um médico.

    (neste caso, o doutor será um que é médico, creio que os outros que se especializaram e são doutores não estão obrigados a saber tirar sangue de uma artéria. Mas, lá está, são menos doutores por isso? E, quem não seja um doutor daquilo que for, ou enfermeiro ou camionista ou escritor ou assistente de veterinário especializado em tratamento de tigres, vamos lá pesar o valor então, mas vamos medir como, caro senhor? Pega-se no objecto – a pessoa – e leva-se a hasta pública para ver o valor que se consegue sacar em leilão de mercadorias para a avaliar?)

    A sua militãncia contra a opinião da senhora em questão e dela se expressar mostra que na sua mente as pessoas cobiçam qualquer valor de outras, as que forem.
    Se eu for executante e/ou compositor de músicas, um médico ou enfermeiro cobiçará o meu valor? Um advogado, um matemático, um bailarino, um acrobata ou canalizador também o cobiçará? Andamos numa sociedade onde as pessoas cobiçam o valor das outras?

    • Telegrama.

      Notas, trois.

      Muito bem, sabia que continuo o seu fã N.º 1?
      Apesar de estar longe de si?
      Dê-lhes fortr, Guidinha!

      Um xi,
      RFC

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.