E ainda dizem que o ridículo não mata!

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 26/05/2018)

mst

Miguel Sousa Tavares

1 Na Assembleia da República, António Costa foi incapaz de responder a uma simples pergunta de Assunção Cristas: é a favor ou contra a despenalização da eutanásia? Para fugir à resposta, invocou o facto de estar ali como primeiro-ministro e não como líder partidário — um conveniente desdobramento de personalidade que abre inesgotáveis perspectivas para o futuro. Embora igualmente inesgotáveis oportunidades de cair constantemente em contradição, nesta sua recém-descoberta doutrina. E, todavia, não era necessário ter sido tão criativo. Podia ter-se limitado a dizer, por exemplo, “olhe, não tem nada que ver com isso, trata-se de um assunto de consciência pessoal e não tenho de revelar publicamente o que penso sobre ele”. Ou podia ter dito, como eu teria dito se fosse interpelado no lugar dele, “não tenho opinião formada sobre isso, entendo que é um assunto que coloca questões, de natureza clínica e jurídica, não apenas ética, muito mais complexas do que à primeira vista parece”. Mas, não: preferiu não responder. Porque, aparentemente, é contra mas não o pode dizer. O terror de ofender o politicamente correcto assim o impede. Já o deputado do PAN, verdadeiro polícia dos costumes correctos, esse é perfeitamente coerente: a favor da eutanásia para as pessoas, contra a eutanásia para os animais.

2 Em Évora, terra de tradições tauromáquicas, os estudantes universitários votaram por maioria a abolição da tradicional garraiada das festas da Queima das Fitas. Mais uma. É a juventude conquistada, passo a passo, pelas ideias do deputado André Silva, que em breve fará votar na Assembleia o seu projecto para abolição das touradas em Portugal. Não passará este ano, mas talvez no próximo ou no outro a seguir. Um após outro, os grupos parlamentares vão ter medo de votar contra e de ficarem do lado do “espectáculo do sofrimento do touro”. Depois, vão ocupar-se do sofrimento dos cavalos, vítimas das esporas nas corridas ou dos chicotes nas competições de atrelagens. Depois, virá a caça e a pesca desportiva. Abandonaremos os rios, as albufeiras e os terrenos de caça preservados, limpos de mato e vigiados, onde o fogo não entra. Ficará tudo o pouco que ainda resta em estado natural para as suiniculturas e os eucaliptos, que podem deixar o Tejo transformado numa lixeira de espuma verde a troco de multas de 2500 euros, e no meio de cujas matas, onde não existe um sinal de vida, “os amigos dos animais” esperam fazer prosperar o lince “selvagem” da Malcata, criado em cativeiro em Tavira, ao preço de 23 mil euros a unidade (a pagar pelos contribuintes) e alimentados com coelhos “bravos” criados em viveiros e importados de Espanha. E assim ficarão todos muito felizes com a sua realização, o PAN e o chamado Partido Ecologista Os Verdes — esse enteado do PCP, que, entre outras causas ecologistas, defende os clandestinos da Ria Formosa, os quais têm como maior argumento ecologista para a ocupação selvagem do domínio público marítimo… a protecção do camaleão! E viverão todos muito felizes e verdes de satisfação até que voltem os incêndios como os de 2017 e eles descubram que o eucaliptal — que, esse, não têm coragem de enfrentar — pega livremente fogo a um país inteiro que não tem quem o defenda. Foram-se os guardas-florestais, os guarda-rios, os guardas de caça, os maiorais de gado bravo, os pastores, os caçadores, os pescadores, o mundo rural. Temos o comendador Jaime Marta Soares para nos defender. É um descanso.

3 Mais um exemplo. Até aqui, nas acções de divórcio, fossem litigiosas ou por mútuo consentimento, era necessário regular o destino da casa de morada de família, dos bens comuns, das pensões entre cônjuges e do poder paternal dos filhos. Agora, nestes tempos de modernidade politicamente correcta, acrescentou-se também a imposição legal de regular o destino dos animais de estimação do casal que se divorcia. Tal qual como se de filhos se tratasse, tem de se regular tudo, minuciosamente: quem é que fica com a guarda dos animaizinhos (que, tal como sucede com os filhos, pode ser repartida), qual o regime de visitas ao bichinho, quem passa os dias de aniversário com ele (incluindo o aniversário do próprio), pensão de alimentos a seu favor, obrigatoriedade de ambos os ex-cônjuges serem consultados sobre todas as questões importantes na vida do animal e mesmo a necessidade de autorização escrita do outro para que um deles se faça acompanhar do animalzinho em viagem ao estrangeiro.

E, como a lei não distingue o que seja um animal de estimação (até pode ser um camaleão protegido pelos clandestinos da Ria Formosa), imagine-se o que sejam, por exemplo, as dificuldades de um funcionário escrupuloso do SEF que faça questão de levar a lei a sério: “Olhe, a senhora desculpe, diz no seu passaporte que a senhora é divorciada. Pode provar que esse periquito que leva aí na gaiola não era animal de estimação do casal antes do divórcio e, em caso negativo, tem consigo autorização de saída dada pelo seu ex-marido?” Sinceramente, não sei se deva rir ou ter pena de quem pariu uma lei destas.

4 Mas faltava-me ainda tropeçar no melhor: mais uma manifesto contra “a designação e missão do Museu da Descoberta da Câmara de Lisboa”. Se o primeiro era assinado por autodesignados historiadores e “cientistas sociais”, este, excluindo quem se assina como “activista” ou “militante anti-racista”, é quase exclusivamente assinado por cineastas e curadores — em tal profusão que a boa notícia a extrair é que as nossas belas-artes e cinema estão a atravessar um período de franca prosperidade. Passo por cima das tiradas panfletárias mais ridículas, para ir ao essencial do que eles querem para o dito museu — que, recordo, bem ou mal, teria vagamente que ver com as descobertas portuguesas, ou navegações, se preferirem. Querem, cito, “um diálogo com o crescente movimento de descolonização da memória histórica que tem vindo a ser operado a partir do sector cultural e científico e de movimentos anti-racistas, feministas e LGBTQI”. Querem “a urgência da revisão dos termos descoberta/descobrimentos, primeira globalização, viagem, diáspora, interculturalidade, mar e lusofonia”. Querem que o museu “estude o lugar de Portugal na ascensão do capitalismo e na história do genocídio e etnocídio indígena nas Américas”. Querem que “se tenha em conta as repercussões desta história no presente, tais como os nano-racismos (i.e., os pequenos, mas impactantes, gestos e atitudes racistas que pontuam linguagem e acções quotidianas”. E tudo isto porque, descobriram os cineastas e curadores, estamos “num momento em que por todo o mundo se questiona o papel dos museus como tecnologias imperiais”. Pelo que se declaram “disponíveis para contribuir num grupo de trabalho (necessariamente com um conselho científico e curatorial) que debata um projecto museológico plural e questionador”. Eis.

Rever o termo “mar”? Para quê — água salgada? E o termo “viagem”? Para quê — excursão de curadores? E interpretar os descobrimentos à luz do feminismo e dos movimentos LGBTQI (o que será o I?) dos povos indígenas? E os folhetos que recebemos à porta do Prado ou dos Uffizi a questionar aquelas tecnologias imperialistas? O nano-racista do Velásquez com a mania de pintar os Áustrias do Felipe IV, o machista do Botticelli com as suas meninas da Primavera?

Ó Fernando Medina, sabe que mais? Desista do museu, seja qual for o nome e a versão. De facto, como dizia o outro, nós não somos descendentes dos que partiram: somos dos que ficaram. Isso explica muita coisa.


Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia 

Anúncios

4 pensamentos sobre “E ainda dizem que o ridículo não mata!

  1. Belo artigo !! O ridículo devia mesmo matar !! Só não acho 5 estrelas porque sou contra as touradas, sempre o fui e sou mais velho que o MST !! Chapeau !!

    Gostar

  2. Obrigado, MST, por espumares tanta raiva por o século XIX ir ficando para trás, apesar de todo o reaccionarismo. Que nunca te faltem úlceras a sonhar com o fim dos brandos costumes.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.