MORRI NA TERÇA-FEIRA

(Soares Novais, in A Viagem dos Argonautas, 20/08/2017)

carvalho

Boa noite, chamo-me Carvalho e morri na última terça-feira. Morri de morte natural, pois tinha 200 anos. Mas, também, por via da incúria e do abandono a que me votaram os sucessivos mandões cá da terra, da diocese e da paróquia.

Eu sabia que tinha de morrer. Sempre soube! Mas o que me chateia mesmo é que comigo morreram 13 pessoas e uma delas era um menino com apenas doze meses de vida.

Digo-vos: foi um horror! Um horror que não desejo a nenhum dos Plátanos que durante anos a fio foram os meus companheiros de vida; àqueles que tinham a obrigação de cuidar de um ser vivo como eu e não o fizeram; e mesmo àqueles tipos que, pela calada da noite, enchiam as minhas raízes de urina. Estou triste, muito triste. Repito: não por ter morrido, mas porque a minha morte causou outras mortes e ferimentos em mais 49 pessoas.

Resultado: eu que, durante dois séculos sempre estive aqui a proteger e a aconchegar as pessoas, vou ficar na história como um terrorista. Tal qual aqueles bárbaros que mancharam as Ramblas de Barcelona com sangue.

Ao meu cadáver é que os tipos não deram descanso. Passaram tantas horas à minha volta que eu só de os ver ficava cansado. Valeu-me o Ministério Público (MP) que correu com os ditos peritos. Agradeço ao MP, pois eu já estava farto de os ouvir falar e das suas doutas opiniões.

“Ele estava velho e da morte ninguém escapa”, dizia um para logo outro atirar:

“Sim, mas caso o tivessem protegido ele, pelo menos, não caía redondo sobre as pessoas.”

Eu sei que o povo avisou os sucessivos mandões da terra, da diocese e da paróquia para a doença  que há alguns anos me apoquentava. Mas cá para nós que ninguém nos ouve: quem é que se preocupa com um velho que está mais para lá do que para cá?! Mesmo que esse velho se tenha cruzado com o exilado Carlos I da Austria, que após a queda da Império Austro-Húngaro fez da Quinta Jardins do Imperador a sua última residência, aberto os olhos de espanto com a pintura de Martha Telles e o “Cerco” de seu irmão António, deslumbrado com a poesia da pintura de Lourdes Castro e trocado duas de prosa com o poeta Herberto Hélder. Sim, digam-me!…

Depois há sempre a questão das “massas” e ninguém está para gastar dinheiro com um pobre Carvalho como eu. Um velho que ninguém conhece. Fosse eu o Cristiano Ronaldo e tudo seria diferente. A “massa” aparecia logo. Como aparece para tudo que é festança e foguetório. Foi assim que o anterior soba fez da Madeira um destino de férias para gente endinheirada e é assim que o actual a quer manter.

Além do mais, hoje todos aqueles que vivem no Monte, sejam Carvalhos, Plátanos ou pessoas pouco ou nada contam. É isso que pensam os sucessivos mandões da terra, da câmara, da diocese e da paróquia. Tanto que agora ninguém quer ser dono do chão onde eu e os meus amigos fincamos os pés.

Para eles, nós, os do Monte, só contamos para pagar promessas à senhora padroeira e transportar os turistas em carrinhos de cestos. Nós, os do Monte, não temos direito a entrar no “bailinho”.

 

Anúncios

2 pensamentos sobre “MORRI NA TERÇA-FEIRA

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s