Mariano Gago

(José Pacheco Pereira, in SÁBADO, 24/04/2015)

Pacheco Pereira

            Pacheco Pereira

Mariano Gago foi, muito à portuguesa, a vítima da nossa hipocrisia generalizada. O mesmo primeiro-ministro, cujo Governo tem vindo meticulosamente a extinguir, às vezes com sanha pública, a “obra” de Mariano Gago, veio elogiá-lo “apesar das divergências”. Quais eram as divergências? O que Mariano Gago fez como ministro com Guterres e Sócrates.

Então está a elogiá-lo por que razão? Pelo seu trabalho científico como físico, que ele deve em absoluto desconhecer? Pela sua actividade política, na extrema-esquerda, no Clube da Esquerda Liberal de que fez parte, no PS? Duvido. Para o primeiro-ministro e os seus próceres, isso é a política “antiquada”, o “velho paradigma” que ele e os seus jovens audazes querem acabar.

Mas é mesmo assim, dois em um: elogia-se Mariano Gago como ministro, ataca-se Mariano Gago como ministro. Da maneira que isto está, não há problema nenhum. Vale tudo.

Mariano Gago (2) 

Conheço Mariano Gago desde os nossos anos de brasa. Até antes disso. Partilhamos ex aequo o primeiro prémio de ensaio dado pelo Diário de Lisboa, sob a égide do Juvenil e a patrocínio do Fósforo Ferrero. Era então apenas o “José Mariano” e estava nas vésperas de se lançar, como eu, na resistência estudantil, primeiro na versão leve, a do movimento associativo e depois na versão pesada, a da extrema-esquerda. Foi um dos mais importantes membros dos CCRML, junto com João Bernardo e autor de muitos dos seus documentos. O meu grupo e o dele tiveram alguma episódica colaboração nalgumas escolas de Lisboa, mas eram territórios tão distintos como os Sete Reinos de A Guerra dos Tronos. Além disso, os CCRML (de onde vieram Acácio Barreiros e Jorge Coelho, por exemplo) não existiam no Porto, nem no Norte do País, pelo que felizmente nunca conhecemos aquela guerra sectária que caracterizava a extrema-esquerda, cá e em todo o mundo. Viemos mais tarde a encontrar-nos nessa peculiar experiência política que foi o Clube da Esquerda Liberal, onde esteve todo o mundo e ninguém. Lembro-me de que numa das raras votações feitas, exactamente sobre o nome que o Clube deveria ter, havia três propostas: Clube da Esquerda Liberal (nome que eu tinha inicialmente usado para designar a “coisa”, e que acabou por vencer, já sem ser minha proposta mas do Espada e do Villaverde e outros), Clube Liberal (proposta minha) e Clube do Delfim (proposta do Mariano Gago). Teve um voto, o dele.

 ferrero

No PS e no Governo, Mariano Gago teve o percurso conhecido e reconhecido. Apoiei-o na Quadratura do Círculo várias vezes na sua acção em prol da ciência e pelo fim da velha dualidade das “duas culturas”, que em Portugal para o público significava apenas uma, a das Humanidades. Uma ou outra vez critiquei-o e o Mariano Gago imediatamente me falava para discutir a crítica. Eu não me ficava e ele também não, mas algumas vezes chegava-se a um terreno comum. Há uma coisa que quem não viveu os tempos de 68 não compreende – é que se fica marcado por esses anos, que como ele lembrava, iam seis anos para trás e seis anos para a frente, de 62 a 68 e de 68 a 74, para o bem e para o mal.

Referendar o acordo ortográfico 

Acordo Ortográfico foi um enorme falhanço diplomático e político ao nível internacional. Não cumpriu nenhum dos objectivos a que se propunha, e, de Angola (que o abomina) ao Brasil (que não o aplica), ficou apenas em Portugal um resquício burocrático que muitos recusam, ninguém deseja e sobrevive apenas apoiado nos diktats do Estado. Estado esse que exorbita claramente nas suas funções visto que o Acordo Ortográfico ainda não é lei vigente e existe apenas imposto pela burocracia na qual se interlaçaram alguns interesses comerciais das editoras, que tendo sido também obrigadas a fazerem manuais com a nova ortografia, pretendem legitimamente ser ressarcidas dos seus prejuízos. A ideia de fazer um referendo sobre o Acordo Ortográfico é boa. O modo como se escreve português não é propriedade de alguns linguistas, aliás em contradição com outros especialistas que contestam com veemência as soluções adoptadas. E se fosse propriedade dos criadores da língua, escritores, romancistas, poetas, também já de há muito que seria rejeitado. Lembro aliás aqui o combate de Vasco Graça Moura que fez tudo para se lhe opor e, mesmo como responsável de uma instituição, o CCB, impediu a sua aplicação, acto de coragem que se fosse repetido por muitos outros ainda mostraria com mais evidência que o Acordo é recusado pela maioria dos portugueses. Vamos pois ao referendo, até porque a relação do Acordo com a nossa ideia da identidade de Portugal, por vida da ortografia da nossa língua, está entre as matérias que justificam o referendo. Votarei “não” com muito gosto e vontade de acabar com essa malfeitoria à comunidade dos portugueses e dos que falam português.

2 pensamentos sobre “Mariano Gago

  1. CLICA..JOVENS COM 18 ANOS ACORDAI;ESTE JÁ DEVIA ESTAR AO PÉ DE SÓCRATES; EM ÉVORA; E VOTAI CONTRA ESTA CORRUPÇÃO PSD, CDS NÃO VOTARES É AJUDÁ-LOS, DEIXA-LOS GANHAR, E ROUBAR. CAVACO SILVA É PIONEIRO NA CORRUPÇÃO; BANCÁRIA…A DEMOCRACIA DO 25 DE ABRIL TRANSFORMOU-E NUMA CORRUPÇÃO DE CAÇA À BOA REFORMA À CORRUPÇÃO; CORRUPÇÃO BANCÁRIA DE CAVACO SILVA PSD.. ATRAVÉS DOS BANCOS; CADEIA DEIXA-VOS A VIDA EMBUTE-CADA; PRISÃO PERPÉTUA JÁ .. ESTE É O CHEFE DOS GATUNOS E DOS LADRÕES; ESTE NUNCA GANHOU ÁGUA; DEIXOU-NOS DESTRUIR PELOS BANQUEIROS. COM O JURO A 27, E 30%.. ONDE ESTAM OS VALORES DA DEMOCRACIA DO 25 DE ABRIL DE 1974..DESTE PORCO; CRIANÇAS DE CEM LEITE PARA COMEREM.. EM LISBOA; QUE TEVE QUE O POLICIA PAGAR A DIVIDA NA CAIXA DO SUPERMERCADO..//www.facebook.com/GostoRapidinhas/videos/vb.188129594607692/424214484332534/?type=2&theater

    Gostar

  2. A lata deste pacheco é incomensurável; fala de Mariano Gago para se auto-elogiar. É verdade, uma leitura atenta topa bem que pacheco nem toca ao de leve acerca do trabalho e contributo de MG como cientista e como político que criou uma cultura organizada para desenvolvimento da ciência & inovação com bases científicas realistas e adequadas ao nosso país.
    O que diz é que conheceu MG por aqui e ali e até lhe ganhou um concurso de dar nome a uma coisa; lindo de morrer.
    Ó pacheco, na tua entrevista recente ao “i” disseste que o PS de Sócrates deixava para a história o ‘ónus de uma cultura de corrupção’ e o teu psd o ‘ónus de uma cultura de desculpabilização’. Daqui se infere, embora o disfarces, que tal como passos também tu desconfias da ombridade e seriedade de MG pois, afinal e a pesar de…, ele fez parte de um governo corrupto, é o que perspassa oculto neste texto apesar de tua retórica fraseológica que tenta esconder qualquer elogio ao morto para te fazeres elogiar a ti próprio por o teres encontrado pelos movimentos estudantis e por aí te ficas.
    E não esqueces de, na hora de falar de MG, tentar alevantar o teu amigo e maior parasita político do pós 25A, o vgm outro pulha parasitário do erário público e comunitário, que tal como tu andou sempre a cheirar e lamber o cu a corruptos, esses sim, corruptos como cavaco, durão, manela, duarte lima e tantos outros crápulas do psd que, vindos da província com uma mão à frente e outra atrás, enriqueceram supersonicamente e nenhum magistrado os incomoda.
    Os males de Portugal de hoje são também corolário dos males de tuas opiniões políticas entre muitas como a defesa de “não existência de vacas loucas” no país que pôs em risco a saúde pública e a existência, que viste junto com o durão, blair e bush de “armas de destruição maciça no Iraque” e logo a defesa de necessidade de uma guerra justa contra Sadam.
    O que vens aqui dizer invocando minimamente MG para falar de tua grandeza medíocre e amigo pulha é, precisamente, o reflexo da tua persona impante duma vaidade que não cabe no corpo.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s