Enquanto o Verão não chega

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 28/07/2018)

mst

Miguel Sousa Tavares

(Este texto do MST está dividido por tópicos, devidamente numerados. Nem todos os tópicos tem a mesmo valia para a Estátua. Assim, como o professor Marcelo, agora Presidente, já não pode dar notas, vou eu pontuar cada tópico de acordo com o meu grau de concordância.

Tópico 1 – Suficiente menos (à volta do 11). Tópico 2 – Um bom pequeno (à volta do 15). Tópico 3 – Um bom grande (16 sem dúvidas). Tópico 4 – Muito bom (Um 18 sem hesitação). Tópico 5 – Suficiente mais (Um 13 um pouco puxado).

Comentário da Estátua, 28/07/2018)


 1

Mário Centeno fez o favor de lembrar a quem anda esquecido que o Orçamento do Estado não é apenas um instrumento para servir os interesses dos funcionários públicos, dos professores ou dos interesses eleitorais do PCP, do BE e dos sectores do PS que não desejam perder o poder, inesperadamente conquistado há três anos. Perante a persistente insistência dos entrevistadores do “Público” (ai, que saudades do defunto “DN”!), Centeno disse esta coisa óbvia: o OE é para todos os portugueses. É para servir todos os portugueses, pois é financiado com o dinheiro de todos os portugueses que pagam impostos e, como todos os bens escassos, para ser administrado com um sentido de justiça e de prioridade que não pode ser determinado pela simples capacidade de influência de grupos de pressão socioprofissionais. A isto Centeno acrescentou outra coisa: que os sacrifícios que tantos pagaram na pele com a falência do Estado merecem o mínimo de memória e de respeito. Ou seja, não podem ter sido em vão e terem de ser repetidos em breve para satisfazer reivindicações sectoriais de grupos organizados. Não é só uma questão de finanças públicas, é uma questão de moralidade nas finanças públicas.


2

 Não é todos os dias que Portugal é manchete de capa do “The New York Times”, como sucedeu esta quarta-feira. Sob o título “A recuperação em Lisboa desafia os credores”, o artigo reflecte o que várias pessoas, eu incluído, escrevemos à época: que a célebre e tão louvada TINA (“There Is No Alternative”), a política de “empobrecimento criativo” imposta pela troika a troco do empréstimo de 78 mil milhões de euros, e tão entusiasticamente seguida pelo Governo de Passos Coelho e Paulo Portas, era um desastre económico e uma crueldade social sem sentido. Tudo resumido, consistiu em fazer a economia pagar a falência do Estado, sem no entanto diminuir um euro ao endividamento deste. Devolvendo dinheiro às pessoas e às empresas, António Costa e Mário Centeno, reactivaram a economia e, com isso, aumentaram a receita fiscal, diminuíram o défice e, sobretudo, trouxeram de volta a confiança aos agentes económicos — o que, como qualquer aluno de Economia sabe, é o factor principal para a retoma. Não era assim tão difícil imaginar, desde que não se tivesse a cabeça formatada por um espírito de credor de mercearia.


3

Foi ontem à praça, tendo sido a entrega adiada, a Herdade da Comporta, a emblemática jóia da coroa do falido império Espírito Santo e talvez a última área na zona costeira portuguesa onde ainda será possível fazer qualquer coisa de qualidade — uma vez que deixar como está não faz parte do nosso ADN. Três concorrentes disputavam o bolo e só um, o princípe-jardineiro francês Louis-Albert de Broglie, apresentou um projecto que, no essencial preservava as características naturais do espaço, ocupando apenas 15% com construção. Se bem que sejam os credores quem tem o direito de decidir conforme a proposta que mais bem lhes pague, atendendo ao que está em causa, custa acreditar que o Estado e o adormecido Ministério do Ambiente não tenham uma palavra a dizer sobre o assunto. Eu atrevo-me a prognosticar, je ne sais pourquoi, que o vencedor será o consórcio formado pelo francês que anda a comprar e a lançar no mercado tudo o que é habitação de luxo em Lisboa e o casal novo-rico da moda, que afirma ter trazido o “conceito de luxury” para Portugal e que ameaça varrer com a classe média e mesmo média-alta da Avenida da Liberdade e do centro de Lisboa, pois aquilo é valioso de mais para eles. Ele, que grava no balcão do seu restaurante o nome dos clientes que mais gastam e que declara que o cúmulo do chique é ver uma mesa de russos acompanhar uns simples pregos no pão com garrafas de champanhe Crystal, a 550 euros a garrafa. Ela, que declara que têm “outros valores e princípios” que os falidos ex-donos da Comporta. A mim, tanto se me dá como se me deu: não gosto do “conceito Comporta”, não gosto do “conceito luxury”, e só há dias, por acaso, provei um golo de champanhe Crystal que me puseram à frente — e não gostei. Definitivamente, prefiro um prego com imperial.


4

Suponho que neste momento, em resultado das teses revisionistas em vigor, seja interdito o ensino de grande parte da nossa História nas escolas. Não se pode falar em Descobertas, pois afinal não descobrimos nada: já lá estava alguém antes de lá termos chegado (com excepção de Madeira, Açores, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, se não se importam…). Não se pode falar de colonização porque é sinónimo de exploração dos recursos naturais dos povos indígenas — mesmo quando nos pomos a pensar que, com excepção do pau-brasil, todos os ciclos de prosperidade agroflorestal do Brasil, por exemplo, ficaram a dever-se a plantas que levámos para lá: coqueiros da Índia, cana-de-açúcar da Madeira, algodão, tabaco, café, árvore da borracha. Não podemos falar do que construímos porque foi tudo resultado de trabalho escravo, a começar logo pela Escola de Sagres, que o Infante D. Henrique lançou apenas a pensar nas terras que os portugueses iriam descobrir, perdão encontrar, para povoarem de escravos. Portanto, não se ensina História às criancinhas porque isso seria envolvê-las numa deturpação ideológica para a qual não são chamadas. De caminho, em breve teremos de banir “Os Lusíadas”, essa epopeia poética nacionalista, onde se condensa toda a exaltação desse mal. E agora vêm “Os Maias”, cuja leitura fica ao critério das escolas — onde, aliás, esta e outras leituras, ditas obrigatórias, já eram aprendidas em textos resumidos ao alcance do nível de preguiça instalado na cabeça das criancinhas. “Os Maias”, caramba! O mais fácil, o mais sedutor, o mais actual romance da nossa literatura! Se nem ao Eça chegam, como poderão chegar um dia ao Camilo e descobrir como esta nossa língua, tão mal tratada nas escolas, nas televisões, no Acordo Ortográfico, nas redes sociais, nas novelas, já foi um dia uma língua de uma riqueza deslumbrante?

Nestes tempos do facilitismo irresponsável, pensei durante muito tempo que, pelo menos, haveria uma recompensa para os que fugissem à regra da facilidade e da alarvidade reinante: que o futuro pertenceria, não a quem tivesse mais canudos ou mais dinheiro, mas a quem tivesse mais conhecimentos e mais cultura. Todavia, olhamos para o mundo como ele está, vemos o triunfo dos que hoje mandam no mundo e somos forçados a perceber que já nem isso é uma esperança. Quando a maioria é formada na ignorância e é a maioria que escolhe quem manda, manda a ignorância.


5

Na mesma semana em que João Semedo foi a enterrar, Marcelo resolveu condecorar a título póstumo outro dirigente do BE, Miguel Portas, com a Ordem da Liberdade. Esforçando-me, não consigo recordar que actos tão relevantes deve a causa da liberdade em Portugal a Miguel Portas — pois que quando o Presidente condecora alguém, não o faz apenas em seu nome pessoal, mas em nome de todos os portugueses. Certamente tão afectuoso gesto não se terá ficado a dever ao facto de ele ter sido membro das juventudes comunista e trotskista, depois fundador do BE e depois deputado europeu: um percurso político como outro qualquer, incapaz de justificar a Ordem da Liberdade e, ainda por cima, no seu grau máximo, a Grã-Cruz — deixando-o num pedestal onde estão, por exemplo, Mário Soares e Salgueiro Maia.

Já João Semedo falava tão baixo quanto Miguel Portas falava alto. Conheci-o insuficientemente demais para dele falar com a legitimidade que falaram, e bem, pessoas mais próximas como Marisa Matias, Catarina Martins e Francisco Louçã. Conheci-o apenas o suficiente para perceber que podíamos ter tido o princípio de uma bela amizade, não tivesse a doença vindo interpor-se entre nós. Neste país que já consagrou alguns 5 mil comendadores em pouco mais de 40 anos de democracia, se eu pudesse, dava a João Semedo uma condecoração que não existe: a Grã-Cruz da Ordem da Humildade.


Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia