A Ucrânia será dividida e, em caso afirmativo, como?

(The Saker, in Blog The Saker, 16/08/2022, Trad. Estátua de Sal)

Algumas informações interessantes hoje. Em primeiro lugar, o Serviço de Inteligência Exterior da Rússia, através da declaração de um coronel-general, fez a seguinte declaração ( traduzida pelo meu amigo Andrei Martyanov em seu blog ):

Os conservadores ocidentais praticamente já descartaram o regime de Kiev e já estão planeando a divisão da Ucrânia“, disse o porta-voz do Serviço de Inteligência Estrangeira, coronel-general Volodymyr Matveev, na Conferência de Moscou sobre segurança internacional. “Claramente, o Ocidente não se importa com o destino do regime de Kiev. Como mostram as informações recebidas pelo SVR, os conservadores ocidentais quase o eliminaram e estão desenvolvendo planos para dividir e ocupar pelo menos parte das terras ucranianas”, declarou. No entanto, segundo o general, o que está em jogo vai muito além da Ucrânia: para Washington e seus aliados, é o destino do sistema colonial de dominação mundial que está em causa.

Só para esclarecer, o SVR raramente faz declarações públicas e, quando o faz, você pode lê-las em modo literal porque o SVR não costuma recorrer à técnica das “fugas de informação” de “fontes informadas” e a toda essa bobagem de relações públicas das agências de inteligência (que agora foram totalmente convertidas em veículos de propaganda altamente politizados).

No mesmo dia, vejo este artigo no site da RT: “Os países ocidentais estão esperando a ‘queda da Ucrânia’ – Kiev”, que menciona uma declaração interessante do ministro das Relações Exteriores ucraniano:

“Vários países ocidentais estão à espera da rendição de Kiev e acreditam que os seus problemas serão resolvidos imediatamente”, disse o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitry Kuleba, em entrevista publicada na terça-feira. “Muitas vezes me perguntam em entrevistas e quando falo com outros ministros das Relações Exteriores: quanto tempo você vai aguentar? Em vez de nos perguntarem o que poderia ser feito para nos ajudar a derrotar Putin o mais rápido possível”, disse Kuleba, observando que essas perguntas sugerem que todos estão “esperando que caiamos e os problemas desapareçam por conta própria”. 

Finalmente, algum tempo atrás, Dmitry Medvedev postou este “mapa futuro da Ucrânia após a guerra” na sua conta do Telegram. Este mapa mostra uma Ucrânia dividida entre os seus vizinhos e um pequeno pedaço da Ucrânia que permanece no centro.

Para dizer a verdade, sou há muito a favor da divisão da Ucrânia em vários estados sucessores: dei as razões para isso num meu artigo “Os argumentos a favor da divisão da Ucrânia” escrito no distante ano de 2016.

Agora, seis anos depois, quais são as hipóteses disso acontecer?

Sem fazer nenhuma previsão, o que é quase impossível no momento porque existem muitas variáveis ​​que podem influenciar significativamente o resultado, quero elencar alguns argumentos a favor e contra a probabilidade (em oposição à conveniência) de tal resultado.

Argumentos para a probabilidade deste resultado:

  1. Em primeiro lugar, a maioria dos vizinhos da Ucrânia beneficiaria com tal resultado. A Polónia não conseguiria o “intermarium” com que ainda sonha, mas recuperaria terras que historicamente lhe pertencem e são povoadas por muitos polacos. Neste mapa, a Roménia também se sairia bem, mesmo que a Moldávia perdesse a Transnístria, que eles não têm hipótese de controlar de qualquer maneira. A Roménia poderia, portanto, absorver toda a Moldávia. É verdade que neste mapa a Hungria não recebe (quase) nada, mas esta é uma questão que a Hungria deveria abordar com a Polónia e a Roménia, não com a Rússia.
  2. A Rússia pode nem se opor a tal desenvolvimento, simplesmente porque deixará o problema ucraniano para outros. Desde que a atual Ucrânia esteja totalmente desmilitarizada e desnazificada, a Rússia não terá problemas com tal resultado.
  3. O antigo território do Banderastão seria tão reduzido em tamanho, população e recursos que representaria pouca ou nenhuma ameaça. Os russos nunca permitirão que tenha nada mais do que uma polícia mínima e força de segurança interna (pelo menos enquanto houver vestígios da ideologia banderasta ukronazi nas proximidades da Rússia). As hipóteses reais desse alfobre do Banderastão se tornar uma ameaça serão próximas de zero. Sem mencionar que, mesmo que pudesse tornar-se uma ameaça, seria sempre muito mais fácil para a Rússia lidar com ela, do que no início de 2022.
  4. Objetivamente, os países europeus obteriam o melhor “out” possível para eles, porque estar num estado constante de guerra total por procuração será absolutamente insustentável para os países europeus.
  5. Quanto a “Biden”, supondo que ele ainda esteja vivo e no poder (?), será possível para ele retirar o assunto desta última guerra perdida (de novo!) pelos Estados Unidos das manchetes dos média e lidar com outras questões.
  6. A Ucrânia tem sido um desperdício de dinheiro, biliões e biliões, que é essencialmente um buraco negro com um horizonte que não mostra nada e além do qual tudo, dinheiro, material ou homens, tudo simplesmente desaparece. Este é claramente um dreno insustentável para as economias do Ocidente.
  7. No entanto, em teoria, se um acordo for alcançado e todas as partes concordarem, a UE poderia remover, talvez não todas, mas pelo menos as piores sanções autodestrutivas que tão estupidamente pôs em prática e que agora estão destruindo a economia da UE.
  8. Para os Estados Unidos, a principal vantagem de tal resultado poderia ser, em teoria, que “fecharia” a “frente russa” e permitiria que concentrassem o seu ódio e agressão à China.

No entanto, também há muitos argumentos contra tal resultado:

  1. Em primeiro lugar, as classes dominantes ocidentais, intoxicadas com a russofobia total, teriam que aceitar que a Rússia ganhou a guerra (mais uma vez) e derrotou as potências combinadas do Ocidente (mais uma vez). Isso significaria uma imensa perda de prestígio e credibilidade política de todos os envolvidos nesta guerra política contra a Rússia.
  2. Em segundo lugar, para a NATO seria um desastre. Lembre-se, que o verdadeiro objetivo da NATO é “manter os russos fora, os americanos dentro e os alemães no terreno”. Nesse caso, como é que uma NATO ainda maior aceitaria não poder ter feito absolutamente nada para impedir que os russos alcançassem todos os seus objetivos?
  3. Em segundo lugar, enquanto os povos da UE sofrem com as devastadoras políticas económicas dos seus líderes, as elites dominantes (o 1% da UE) estão a ter grandes benefícios, muito obrigado, e estão-.se nas tintas para os povos que dominam.
  4. Tal resultado também poria em causa diretamente o desejo dos EUA em manter um mundo unipolar, governado pelo tio Shmuel em hegemonia global. O risco aqui é ocorrer um efeito de dominó político em que cada vez mais países lutam para alcançar a verdadeira soberania, o que representaria uma ameaça direta ao modelo económico americano.
  5. É quase certo que tal resultado é inatingível enquanto os neoconservadores governarem os Estados Unidos. E como não há sinal de que o domínio de ferro dos neoconservadores em todas as alavancas do poder político nos Estados Unidos esteja enfraquecendo, tal resultado só poderia acontecer se os loucos neoconservadores fossem mandados de volta ao porão, de onde vieram e onde pertencem. O que é improvável no futuro próximo.
  6. Este foco na divisão da Ucrânia ignora o fato de que a Ucrânia não é o verdadeiro inimigo da Rússia. De fato, a Ucrânia perdeu a guerra contra a Rússia nos primeiros 7 a 10 dias após o início da OMS. Desde então, não é contra a Ucrânia per se que a Rússia está a lutar, mas contra o Ocidente consolidado. Se o verdadeiro inimigo é o Ocidente consolidado, pode-se argumentar que qualquer resultado limitado à Ucrânia não resolveria nada. Na melhor das hipóteses, poderia ser o estágio intermediário de uma guerra muito maior e mais longa, na qual a Rússia terá que desmilitarizar e desnazificar não apenas o Banderastão, mas, no mínimo, todos os países da UE/NATO.
  7. Embora para alguns a guerra na Ucrânia tenha sido um desastre econômico, foi uma bênção fantástica para o (extremamente corrupto) complexo militar-industrial dos EUA. E nem vou entrar nos óbvios laços de corrupção que a família Biden tem em Kiev. Se essa “solução Medvedev” for realizada, todo esse dinheiro fácil desaparecerá.
  8. Além disso, se entre os argumentos a favor de tal resultado citei a capacidade dos Estados Unidos de “fecharem a frente russa” e se concentrarem na China, na realidade tal argumento baseia-se numa hipótese muito rebuscada: que ainda é possível separar a Rússia e a China e que a Rússia permitiria que os Estados Unidos atacassem a China. Mas a Rússia não pode permitir que a China seja derrotada, assim como a China não pode permitir que a Rússia seja derrotada. Assim, a noção de “fechar a frente russa” é ilusória. Na realidade, as coisas foram longe demais para isso e nem a Rússia nem a China permitirão que os Estados Unidos os derrubem um de cada vez.
  9. A UE é dirigida por uma classe dominante compradora que é totalmente subserviente aos interesses dos neoconservadores dos EUA. Já existem muitas tensões internas na UE e tal resultado seria um desastre para todos os políticos europeus que ficaram presos numa guerra total contra a Rússia; e mesmo que, digamos, os polacos, romenos ou mesmo os húngaros tivessem algum beneficio de tal resultado, tal seria inaceitável para os bandidos que atualmente governam a Alemanha, o Reino Unido ou mesmo a França.

Os argumentos a favor e contra o resultado que elenquei acima são apenas alguns exemplos, na realidade existem muitos outros argumentos em ambos os lados desta questão. Além disso, o que fazia sentido há seis anos pode não fazer sentido hoje.

Por exemplo, esta discussão é sobre o “o quê”, mas não sobre o “como”. Deixe-me explicar.

Acho que fui a primeira pessoa no Ocidente a notar e traduzir uma frase-chave russa: “incapaz de fazer acordos” (недоговороспособны). Essa expressão tem sido cada vez mais usada por muitos decisores, políticos, comentadores políticos e outros russos. Eventualmente, até os analistas ocidentais passaram a nota-la. Então, voltemos a esta questão, tendo em mente que os russos estão agora plenamente convencidos de que o Ocidente é simplesmente “incapaz de fazer acordos”. Eu diria que até ao ultimato russo aos Estados Unidos e à NATO, os russos ainda deixavam a porta aberta para algum tipo de negociação. No entanto, e como eu previ ANTES do ultimato russo, a Rússia tirou a única conclusão possível da posição do Ocidente: se nossos “parceiros” (sarcasmo) não são capazes de fazer acordos, então chegou a hora do unilateralismo russo.

Certamente, desde 2013, ou mesmo 2008, já havia sinais de que as tomadas de decisão russas estavam gradualmente a tender para o unilateralismo. Mas o ultimato russo e a OMS são agora sinais “puros” da adesão da Rússia ao unilateralismo, pelo menos em relação ao Ocidente consolidado.

Se isso for mesmo assim, então a maioria dos argumentos acima, em ambos os lados da questão, tornou-se basicamente obsoleta e irrelevante.

Além disso, gostaria de acrescentar um pequeno lembrete aqui: a maioria das operações de combate na Ucrânia nem é realizada pelas forças russas, mas pelas forças LDNR apoiadas pelo C4ISR e pelo poder de fogo russo. Mas em termos de potencial militar real, a Rússia usou menos de 10% das suas forças armadas e Putin foi bastante franco sobre isso quando disse que “nem começamos a agir a sério”.

Como acha que seria esta guerra se a Rússia decidisse utilizar todo o seu poder militar, ou seja, os 90% das forças que atualmente não participam da OMS?

Aqui está uma verdade simples que a maioria das pessoas no Ocidente nem consegue entender: a Rússia não tem medo da NATO.

Pelo contrário, os russos já compreenderam que têm os meios para impor aos seus inimigos qualquer resultado que decidam impor unilateralmente. A ideia de um ataque dos EUA/NATO à Rússia é simplesmente risível. Sim, os Estados Unidos têm uma força submarina muito poderosa que pode disparar muitos mísseis Tomahawk e Harpoon contra alvos russos. E sim, os Estados Unidos têm uma tríade nuclear ainda robusta. Mas nenhum desses elementos ajudará os Estados Unidos a vencer uma guerra terrestre contra as forças armadas russas.

E não, enviar alguns milhares de soldados americanos para este ou aquele país da NATO para “reforçar o flanco oriental da NATO” é pura propaganda, militarmente nem é relevante, é risível. Nem vou comentar sobre o envio dos F-35, que são tão ridículos e inúteis contra as forças aeroespaciais e defesas aéreas russas que nem me vou dar ao trabalho de discutir com quem não entende o quão ruim é o F-35 (e até mesmo o F-22!) são muito ruins.

Não farei outro comentário sobre as capacidades militares da UE senão este: os países que agora defendem seriamente tomar banho com menos frequência para “mostrar a Putin” atingiram tal nível de insignificância e degeneração que não podem ser levados a sério, e certamente não na Rússia.

Então, para onde vamos a partir daqui? Como eu disse, eu não sei, há muitas variáveis. Mas algumas coisas me parecem claras:

  1. A Rússia decidiu assumir um unilateralismo completo nas suas políticas em relação à Ucrânia e ao Ocidente. É claro que, se e quando necessário, os russos sempre concordarão em falar com seus “parceiros” ocidentais, mas isso deve-se à velha política russa de sempre falar com todos e qualquer um, até mesmo com seus piores inimigos. Porquê? Porque nem a guerra nem o unilateralismo político são um fim em si mesmos, eles são apenas meios para alcançar um objetivo político específico. Então, é sempre bom sentar-se com o seu inimigo, especialmente se você tem aumentado lenta mas seguramente a dor dele nos últimos meses! Os europeus sendo os “grandes invertebrados protoplasmáticos supinos” (para usar os termos de BoJo) podem ceder rápida e repentinamente, ou pelo menos tentarão melhorar a sua sorte tentando contornar as suas próprias sanções (assim o Tio Shmuel o permita, ainda que com relutância).
  2. A única parte com a qual a Rússia poderia negociar seriamente é, obviamente, os Estados Unidos. No entanto, enquanto os Estados Unidos estiverem sob total controlo neoconservador, esse exercício será inútil.
  3. Se um acordo fosse concluído, só poderia ser se fosse total e totalmente verificável. Ao contrário da crença popular, muitos tratados e acordos podem ser totalmente auditáveis, o que não é um problema técnico em si. No entanto, com as atuais classes dominantes do Ocidente, é provável que nenhum acordo desse tipo seja elaborado e aceite por todas as partes envolvidas.

O que resta então?

Há um ditado russo que minha avó me ensinou quando eu era criança: “As fronteiras da Rússia estão na ponta da lança de um cossaco“. Este ditado, nascido após 1000 anos de guerra existencial sem fronteiras naturais, simplesmente expressa uma realidade fundamental: são as forças armadas russas que decidem onde termina a Rússia. Ou podemos inverter os termos: “As únicas fronteiras naturais da Rússia são as capacidades das Forças Armadas Russas”. Podemos pensar no unilateralismo russo pré 1917.

No entanto, levanta-se a questão da base moral e ética para tal posição. Afinal, isso não sugere que a Rússia se dá ao direito de invadir qualquer país só porque pode? De jeito nenhum!

Embora a história da Rússia tenha sido marcada por guerras imperialistas e expansionistas, em comparação com os 1000 anos de imperialismo ocidental continuado, a Rússia é apenas um doce cordeiro! Não que isso desculpe alguma coisa, é apenas um fato. As outras guerras russas foram quase todas guerras existenciais, pela sobrevivência e liberdade da nação russa. Não consigo imaginar uma guerra mais “justa” do que as que 1) foram impostas; 2) aquelas em que o único objetivo é sobreviver como uma nação livre e soberana, especialmente uma nação multiétnica e multirreligiosa como sempre tem sido a nação russa, ao contrário dos inimigos da Rússia que sempre foram movidos por um fervor religioso, nacionalista e até abertamente racista (que é o que todos podemos observar novamente hoje, muito depois do fim da Segunda Guerra Mundial).

Será isto só propaganda? Se você pensa assim, então você pode estudar a história russa ou melhor ainda estudar a doutrina militar atual da Rússia e você verá que o planeamento da força russa é totalmente defensivo, especialmente no nível estratégico. A melhor prova disso é que a Rússia apoiou todas as políticas racistas e russófobas da Ucrânia ou dos três estados bálticos por décadas sem intervir. 

Mas quando a Ucrânia se tornou um representante de facto da NATO e ameaçou diretamente, não apenas o Donbass, mas também a própria Rússia, (alguém ainda se lembra que alguns dias antes da OMS, “Ze” disse que a Ucrânia deveria ter armas nucleares?!), então a Rússia entrou em ação. Você tem que ser cego ou fantasticamente desonesto para não admitir esse fato autoevidente.

Nota do autor

A propósito, os três estados bálticos, dos quais a Rússia não tem necessidade, estão constantemente a tentar tornar-se uma ameaça militar para a Rússia, não apenas hospedando forças da NATO, mas também fazendo planos realmente estúpidos para “bloquear” o Báltico com a Finlândia. Acrescente-se a isso as políticas nazistas de apartheid anti Rússia em relação às minorias russas e você será perdoado por pensar que os Bálticos realmente querem ser os próximos a serem desnazificados e desmilitarizados. Mas… mas… – você me dirá – “como são membros da OTAN, não podem ser atacados!”. Bem, se você acredita 1) que um membro da NATO lutará contra a Rússia por essas ilhotas ou 2) que a NATO tem os meios militares para os proteger, então ainda tenho muito a ensinar-lhe. Mas mais, a maneira mais eficaz de lidar com os bálticos é deixá-los matarem-se economicamente, o que basicamente fizeram, e depois prometer-lhes algumas “cenouras económicas” para que adotem uma atitude mais civilizada. Há um ditado russo que diz que “o frigorífico ganha à televisão” (победа холодильника над телевизором), o que significa que quando o frigorífico está vazio, a propaganda na televisão perde todo o poder. Penso que o futuro dos 3 estados bálticos será definido por este aforismo. 

A Ucrânia será, portanto, dividida?

Sim, com certeza, já perdeu grandes pedaços de seu território e só vai perder mais.

Podem os vizinhos ocidentais decidir ficar com um bocado da Ucrânia Ocidental? Claro! É uma possibilidade real.

Mas tal será feito sempre através de ações unilaterais ou acordos coordenados muito informalmente, envoltos em negação plausível (como o envio de “capacetes azuis” polacos para “proteger” a Ucrânia Ocidental). Mas, acima de tudo, prevejo que duas coisas acontecerão: 1) a Rússia alcançará todos os seus objetivos unilateralmente, sem fazer nenhum acordo com ninguém e 2) a Rússia só permitirá que os vizinhos ocidentais da Ucrânia tomem partes da Ucrânia se, e somente se, essas partes não representarem uma ameaça militar para a Rússia.

Lembra-se do que Putin disse sobre a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO? Ele disse que, por si só, isso não era um problema para a Rússia. Mas ele alertou que, se esses países abrigarem forças e sistemas de armas dos EUA/NATO que ameaçem a Rússia, a Rússia tomará contramedidas. Acho que essa é também a posição do Kremlin sobre o futuro de um possível banderastão e sobre qualquer iniciativa dos países da OTAN (incluindo Polónia, Roménia e Hungria) visando recuperar territórios que historicamente lhes pertenceram ou onde têm importantes e minorias.

No momento, estamos apenas na segunda fase da OMS (que está centrada no Donbass) e a Rússia nem sequer lançou operações para penetrar mais fundo na Ucrânia. Quanto à guerra real, aquela entre a Rússia e o Ocidente combinados, já dura há não menos que dez anos, se não mais, e essa guerra durará muito mais do que a OMS na Ucrânia. Finalmente, o resultado desta guerra trará mudanças tectônicas e profundas pelo menos tão dramáticas quanto as mudanças resultantes dos resultados da Primeira e Segunda Guerras Mundiais.

Os russos entendem que o que eles devem fazer agora é realmente acabar com a Segunda Guerra Mundial e que o fim formal da Segunda Guerra Mundial em 1945 apenas marcou a transição para um tipo diferente de guerra, ainda imposta por um Ocidente unido e consolidado, agora não mais por nazistas alemães, mas por (principalmente) neoconservadores americanos (que, é claro, são nazistas racistas típicos, exceto que seu racismo é anglófono e judaico/sionista).

Concluirei com uma breve citação de Bertold Brecht que creio ser profundamente compreendida pela Rússia de hoje:

“Aprenda então a ver e não a olhar.
Fazendo em vez de falar o dia todo.
O mundo quase foi conquistado por tal macaco!
As nações colocaram-no no lugar dos seus companheiros.
Mas não se alegre tão cedo com sua fuga –
A barriga da qual ele saiu ainda está forte. “

– Bertolt Brecht, “A Resistível Ascensão de Arturo Ui”

A Rússia matou muitos macacos ocidentais ao longo de sua história, agora é a hora de finalmente lidar com a barriga da qual eles saíram.

PS: Para sua informação, a investigação russa declarou que as explosões no aeródromo da Crimeia foram um ato de sabotagem/propaganda. Explicação que desde o início surgia como a mais plausível.

Fonte aqui


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Um pensamento sobre “A Ucrânia será dividida e, em caso afirmativo, como?

  1. Desde o final de Março, após o fracasso das negociações, a Rússia declarou “…quanto mais tempo isto durar, mais importantes serão as nossas exigências territoriais”.
    A Ucrânia queria negociar mas a Nato tratou de proibir.

    Uma vez que Zelesnky não está disposto a negociar e perder apenas 15% do seu território, então assumimos que prefere perder 50%.

    Houve um referendo em Mariupol, mas os chamados defensores da democracia em Kiev acabaram literalmente com a vontade do povo e enviaram o batalhão Azov para os silenciar.

    Quem esteve por detrás desta guerra? Porque é que os representantes de países estrangeiros interferiram numa revolta ucrano-ucraniana? (Todos vimos o embaixador dos EUA trazer sandes aos manifestantes e encorajá-los, a questão é contra quem? É este o papel de um diplomata? Pensam que, num país independente, teríamos visto isto? Diplomatas de países estrangeiros a pavonearem-se numa demonstração interna de um país soberano? Não, chamamos a isso interferência. Porque é que a Rússia decidiu anexar a Crimea? Porque é que os ucranianos do Dombass decidiram separar-se? E qual foi a resposta das autoridades ucranianas à revolta dos seus cidadãos? Responder objectivamente a estas perguntas já daria uma imagem clara das premissas deste conflito.

    Quando não consegue resolver o problema, envia os dois protagonistas de volta para back…. chama-se “flight to safety”.
    O poder ucraniano (se fosse realmente independente e soberano) tinha certamente a solução, tinha todas as oportunidades e todas as alavancas da soberania para colocar as salvaguardas, a fim de evitar a intrusão das forças externas (EUA – RÚSSIA) nesta guerra . Infelizmente, a resposta que deveria ser um diálogo inclusivo entre ucranianos nunca foi apresentada pelo poder político que prefere a exclusão, a força e a violência. Uma porta bem aberta e um terreno fértil para a luta das duas grandes potências militares que se apressaram a entrar. Os EUA não estão a gastar dezenas de biliões de dólares para nada nesta história. “O objectivo dos EUA é enfraquecer a Rússia tanto quanto possível”, disse um general americano. Isto é claro e inequívoco. Mas qual é o objectivo dos europeus neste conflito? O Grand Reset?Os acordos de Minsk já eram uma base (talvez nem todos fossem perfeitos, mas havia uma base de discussão e acordo que poderia ser melhorada, se a paz fosse realmente desejada por todos).

    Se há uma certeza é que os americanos são muito mais inteligentes do que se pensa, eles sabem muito bem que hoje estão a gastar milhares de milhões de dólares para apoiar a Ucrânia e que isso lhes custará muito menos do que se a Rússia ganhar esta guerra e deitar as mãos ao território ucraniano. Os americanos pelo menos têm a inteligência para se lembrarem da experiência que a história nos deu porque não impedimos a Alemanha Nazi quando tentou anexar uma parte da Checoslováquia. Podería-se ter travado esta guerra imediatamente e é porque não fizeram que houvesse milhões de mortos …..com Vladimir Putin é o mesmo ou paramos directamente na Ucrânia ou isso vai custar-nos milhares de biliões e não apenas alguns biliões.

    A União Europeia, e a Nato não querem ajudar os ucranianos a fim de evitar danos colaterais e perda de vidas. O facto de a UE, a NATO e o Ocidente estarem a tentar resolver um problema pessoal com a Rússia, enquanto utilizam a Ucrânia, a NATO e a UE para enfraquecer a Rússia e sacrificar o povo ucraniano, é que todos estão a pagar o preço, dado o aumento do preço do petróleo e de outras necessidades em todo o mundo.
    A solução do problema entre a Rússia e a Ucrânia não pode ser resolvida pela guerra, mas sim pela paz sob os auspícios das Nações Unidas.

    A ONU não serve para nada, excepto para punir países fracos. É uma organização de países fortes que eles utilizam de acordo com os seus interesses. O problema desta guerra era simples de resolver, respeitando os acordos de minsk. Mas o Ocidente usou Zelenski (um comediante de comércio que não entende nada de política) sabendo que a Rússia reagiria contra a Ucrânia e a partir daí o Ocidente aplicaria o seu plano de colapso da sua economia. Os EUA e os seus aliados acreditavam que o cenário da ex-URSS se repetiria. O que eles não sabiam é que a Rússia levou oito anos para estudar os prós e os contras da sua invasão, especialmente a nível económico, e nós sabemos o que aconteceu a seguir! Não haverá guerra nuclear porque os protagonistas têm muito medo de sacrificar os seus entes queridos e depois pensar no futuro do seu povo. Os cobardes, como sempre, pensam primeiro em si mesmos perante os interesses dos outros.

    Quando não se respeita os acordos, será que são falsos? Porque é que a França e a Alemanha participaram? Tiveram de recusar todos os acordos antes de os assinarem? Mas claro que obedeceram ao Tio Sam e por isso estes acordos foram inúteis porque ele assim o decidiu! Quanto às invasões, é certo que se torna uma agressão, mas é sempre necessário conhecer a causa! Os EUA invadiram o Iraque porque estava prestes a construir uma bomba nuclear com um frasco que continha apenas um líquido neutro e foi brandido pelo próprio Secretário da Defesa. Um oficial militar mostrou a todo o mundo como prova! Portanto, a invasão foi necessária, mas é uma agressão na mesma!

    Alguns países agem como se estivessem a dar lições quando têm uma tradição de nunca respeitar o direito internacional. Eu não dou o meu aval a Putin. Nem sequer o procurou antes de iniciar a sua operação na Ucrânia. Contudo, como cidadão do mundo, noto que o desrespeito do direito internacional por uns acabou por ser utilizado como pretexto para o de outros. Se temos organizações internacionais que devem zelar pela segurança humana internacional, quando um país, mesmo os Estados Unidos, viola o direito internacional, devem reagir e trabalhar para o evitar. Bush Jr. disse: “com ou sem a ONU, a América atacará o Iraque” e isso foi feito com o número de mortes de civis: 1.200.000. Ninguém vacilou. Em África, é bem conhecido: os poderes são feitos e quebrados de acordo com a boa vontade do Ocidente e ninguém se pronuncia. Descrevemos a situação de forma impotente.

    Embora este conflito não nos diga respeito, levou-me a odiar deste Zelensky que não conhecia e a odiar estes ucranianos que pedem armas em vez de paz para os pais de família, pais forçados pelo seu governo a lutar à margem.

    Quem quer a paz não pede armas .

    Toda a gente os desilude agora, muito menos as armas e os veículos enviados pela Nato deixarão de estar operacionais dentro de alguns meses, quando as chuvas chegarem
    O destino da Ucrânia já está a ser jogado e está feito .

    A minha versão é simples e eu não sou um politólogo para confirmar as minhas declarações! Eu digo o que vejo. Os EUA criaram guerras em todo o mundo, arrastando a Europa que nada tem a ver com isso e obriga-os a participar se não puserem a mão no bolso ou nos bolsos do seu povo para pagar a conta! Constato também que os EUA querem continuar a ser os senhores do mundo e não querem concorrentes que não estejam sob a sua égide e aqueles que se rebelarem sofrerão os seus ditames de uma forma ou de outra!

    O Ocidente apresenta-lhe este conflito num modo de produção de Hollywood, com um bom tipo (americano) e um mau tipo (russo) como em muitos dos seus filmes… mas na realidade, cada um protege os seus próprios interesses, portanto cada um é o bom tipo na sua visão das coisas e o outro torna-se o mau tipo… é por isso que o conceito de bom e mau de acordo com os seus próprios interesses carece de objectividade.

    Face aos EUA, nunca estamos seguros. Mesmo desaprovando a invasão russa, compreendo o raciocínio dos russos porque a indústria norte-americana é largamente baseada no armamento, o que a torna um país extremamente belicoso. Já o provaram no passado até hoje.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.