O VERÃO QUENTE DE ALVALADE

(In Blog O Jumento, 14/06/2018)
leões
(É uma guerra de leões. Escrever sobre o Sporting sem ser acusado de “benfiquismo” ou “portismo”, “brunismo” ou “martismo” é um difícil número circense no momento actual. 
Como acho que este texto consegue isso, aqui o deixo. 
A Estátua não pode ficar à margem de um tema tão candente que ofusca todas as notícias e todos os restantes acontecimentos que vão ocorrendo no país e no mundo.
Comentário da Estátua, 14/06/2018)

Sem incêndios ou assaltos a quartéis, com a oposição a aproveitar o clima para prolongar o estado de hibernação, João Pereira Coutinho achou que do alto do seu brilhantismo devia dar uma ideia à oposição, uma nova frente de batalha, agora que a pediatria do Santo António já deu o que tinha a dar. Este ideólogo da direita teve a brilhante ideia de sugerir que o governo devia ser criticado por não intervir na situação do Sporting.
A ideia era boa; seguindo o velho ditado popular o ideólogo sugere que o governo meta a colher num caso de marido e mulher. Se tomasse partido pelo Bruno ficava com o ódio dos do Marta, se apoiasse o Marta tinha de aturar o Facebook do Bruno, se entrasse armado em Herodes tinha de enfrentar os dois. O homem não só não explicou como e porquê deveria intervir, como deve ter-se esquecido de que Portugal é um Estado de direito e que nenhum governo se pode meter num caso que serão só tribunais a resolver.
O que quer o brilhante Coutinho? Que o governo reinstalasse o COPCON e neste verão quente da 2.ª Circular mandasse uma coluna militar a Alvalade para meter um tenente no lugar do Bruno de Carvalho e depois chamasse o Marta para adjunto? Ou que as providências cautelares, em vez de serem dirigidas ao Supremo Tribunal Administrativo, dessem entrada na secretaria de Estado da Juventude e Desportos?
A situação do SCP parece ser cada vez mais complexa e embrulhada em questões jurídicas que só conseguirão ser desembrulhadas nos tribunais. A única forma de intervir do governo seria envolver-se numa luta pelo poder que não lhe cabe apreciar ou decidir ou, pior ainda, retirar ao clube o estatuto de utilidade pública, o que seria um golpe quase fatal. Provavelmente seria este o desejo de Coutinho, numa lógica em que transformaria um problema de estatutos de um clube num problema nacional. Enfim, esperteza saloia.
Infelizmente, para o SCP, a luta pelo poder entre Bruno de Carvalho e a oposição à sua liderança é o equivalente a uma guerra civil, um tipo de guerra onde o nível de destruição é por vezes levado ao absurdo. Neste momento já nenhuma das fações está preocupada com o que se destrói, convencida de que essa destruição é um custo que se justifica se estiver em causa a derrota do adversário.
Neste estado de coisas a que a situação chegou já ninguém exterior ao SCP, exceto os tribunais pode intervir, nem o Governo, nem a Federação, nem a Liga de Clubes. Parece que se perdeu o bom senso e o clube caminha para a destruição, restando esperar que tal não aconteça e que as consequências se fiquem pela solução de poder. Se algo de mais grave suceder, esperemos que o MP responsabilize os responsáveis pelas situações de violência que podem ocorrer, porque depois dos vexames e ataques públicos dos jogadores já se lêem apelos aos sócios contra outros sócios.
Anúncios

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.