Conversas de alcova

(José Gameiro, in Expresso, 20/11/2020)

As histórias de espionagem através das alcovas são muito antigas. Mais as de mulheres a espiarem homens do que o inverso. Talvez porque os homens são mais ‘tontos’ a guardarem segredos quando estão embeiçados por uma senhora. As grandes guerras europeias estão repletas de histórias de mulheres que correram grandes riscos de vida, algumas foram executadas, porque seduziram inimigos para lhes ‘sacar’ informação política e militar. Nos tempos atuais, as coisas são mais sofisticadas, mas os riscos de partilhar informação financeira nos calores da intimidade podem ser elevados.

O amor é o sentimento que mais desperta emoções violentas, para o bem e para o mal. Esta verdade de La Palisse raramente acaba nos tribunais e nas prisões, felizmente. Mas há traições que são muito mal vistas por quem as sofre.

Chamemos-lhe Adérito. Um nome que acho adequado a um tratamento de código .O nosso homem teve uma vida vulgar até àquele dia fatídico. Fez o seu curso superior quase todo à custa das colegas, que lhe passavam os apontamentos e o deixavam copiar nos testes. Contava, entre amigos, um episódio de que se gabava. Numa disciplina de cálculo — o Adérito só sabia a tabuada e pouco mais —, a namorada de ocasião, rápida e eficiente, conseguiu passar-lhe o teste já resolvido. Ele copiou-o e aproveitou para vender as respostas aos amigos. Na hora de o entregar, ouviu-se na sala uma voz feminina desesperada: “Onde está o meu teste?”

Casou com a namorada da juventude, depois de adiar a união durante uns dez anos, como ele dizia, para poder gozar a vida. Única herdeira de um industrial de sucesso, rapidamente engravidou e, por pressão do pai e do marido, ficou em casa a tratar dos filhos. O Adérito lá ia cumprindo as suas obrigações conjugais, nos mínimos. Em abono da verdade, ela agradecia que ele “não a procurasse muito”. As aventuras iam-se sucedendo, cada vez mais às claras. O Adérito não se apaixonava, gostava, como ele dizia, de “carninha fresca”. Não tinha amigas que lhe explicassem o que é uma mulher. Os negócios iam de vento em popa. As comissões sucediam-se e os testas de ferro também. Movimentava-se cada vez melhor no mundo do imobiliário e nas cascatas de empresas que não se sabe onde nascem nem onde desaguam. Até que, um dia, se tomou de amores. Parecia ser mais uma secretária, das muitas que ia tendo mas que despedia quando já sabiam demais. Nem sequer era muito “fresca”, como ele dizia aos amigos. Mas tinha qualquer coisa que o prendia, pela primeira vez. Saiu de casa e foi viver com ela. Negociou com a mulher o divórcio, deixou-a bem, como se diz nestes meios.

A pouco e pouco, ela foi tomando conta de todas as operações financeiras. Viajavam sempre juntos, espalhando glamour junto das famílias tradicionais que tinham aderido ao mundo das margens da legalidade. Mas o Adérito tinha dentro dele o gene da transgressão. Numa destas viagens não resistiu a uma princesa falida mas que tinha artes de encantar como ele nunca tinha conhecido. Pela primeira vez, ficou preocupado. Tentou justificar viagens em que teria de ir só. Telefonemas e mensagens a horas mortas, um azar nunca vem só, e a senhora vivia num fuso horário muito diferente.

Quando foi apanhado, tentou a velha tática, negar tudo e sempre. Percebeu que era, afinal, um grande ingénuo. Estava tudo gravado. Pensou: “Paciência, vou ter mais cuidado, mas não consigo deixá-la. Nunca ninguém me tocou tão fundo.” O Adérito confirmou, umas semanas depois, que, mesmo tendo ‘colecionado’ dezenas de mulheres, não fazia a mínima ideia do que elas eram capazes. Sei que estou a ser injusto na generalização. A secretária, organizada como lhe competia ser, entregou o dossiê completo. Às 7h de uma manhã de nevoeiro, ainda com poucas horas de sono, depois de uma noite real, a polícia local bateu-lhe à porta do quarto, num hotel de luxo, algures no mundo. Algemado, não conseguiu deixar de pensar numa frase que o cineasta Luis Buñuel disse no ocaso da vida. “Nunca mais me vejo livre do tirano…”


Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.