Les beaux esprits…(Ou o bebé e a vaca)

(Por José Gabriel, 4/11/2019)

Breaking news: Sua Alteza o príncipe Henry de Inglaterra informou o seu reino e o mundo em geral de que não tenciona ter muitos filhos – no máximo dois – pois está preocupado com a sustentabilidade do planeta e os efeitos da uma demografia desatinada no ambiente.

Após esta austera e despojada declaração, sua Grandeza e exma. Princesa consorte dirigiram-se à garagem do seu palácio de 140 divisões, entraram num dos seus Rolls Royce e, dirigindo-se ao seu jacto privado que estava mais à mão, nele viajaram até ao porto onde o seu yate de 70 metros os aguardava, a fim de os levar naquele cruzeiro de sonho – ainda mais de sonho que todos os anteriores – porque ansiavam há mais de uma semana. Saudados pela criadagem e pela tripulação, partiram em grande estilo. Mas sobriamente, claro, o importante era não cansar o planeta!

Nesse ínterim, em Coimbra, após a interdição do consumo de carne da peidorrenta vaca imposta, com magnificência, pelo Magnífico Reitor, os alegres e irreverentes foliões académicos e respectivos adesivos desbundavam em festa geral, uma tal de latada.

A cidade, afogada em toneladas de vidros de garrafa, latas de alumínio, carros de supermercado abandonados ou atirados ao rio, urina, vómito de vinho barato e cerveja – quase tudo coisas cuja produção, garantem cientistas com mau feitio, é um contributo brutal para os tais gases com efeito de estufa – rejubilava. Que bonita a festa! Que engraçadas as brincadeiras dos estudantes! Bem dizia o senhor presidente da Câmara que em Coimbra se bebia mais cerveja que na Oktoberfest; que orgulho, caros concidadãos!

E assim, estimados amigos, observamos, edificados, que a fralda e o vagido ausentes do bebé inexistente de Suas Majestades e o traque ou o mugido da vaca vacante das cantinas universitárias de Coimbra, são unidos pela mesma aspiração e neles está presente a mesma preocupação: salvar o planeta!

Também as une o mesmo oportunismo, a mesma demagogia, a mesma hipocrisia, a mesma indigência intelectual, o mesmo desrespeito pela inteligência alheia. Que ainda não é proibida.


Advertisements

Um pensamento sobre “Les beaux esprits…(Ou o bebé e a vaca)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.