2 pensamentos sobre “Como os media prolongaram a Guerra, sanções e outros temas

  1. Se houver um colapso económico generalizado e uma guerra mundial, duvido muito que as criptos sejam trocadas como prioridade porque, antes de mais, teríamos de ter redes eléctricas e de Internet em perfeito funcionamento, bem como telefones ou computadores e assinaturas pagas em todos os lugares.

    O advento do cidadão digital (com a criação da sua própria moeda) na Europa, o investimento maciço na polícia de choque, o fim do papel-moeda sugere que vamos passar pelo mesmo estrangulamento. Quotas individuais de carbono, redução drástica do consumo e do lazer, dependência do sistema financeiro através de um rendimento universal, têm um saco cheio de ‘boas intenções’ para o nosso futuro e custa-me a acreditar que possamos escapar-lhes graças a bens virtuais que podem ser neutralizados com um clique do rato.

    O colapso é esperado desde 2008, quando foi decidido resolver uma crise de dívida através da impressão de dinheiro.

    Estamos agora no fim do caminho e o indicador crucial é o aumento da inflação que está a começar a afectar os produtos de consumo. Os bancos centrais não terão uma solução para o que está a acontecer.

    Alguns pensavam que isso nunca aconteceria. Mas todas as experiências monetárias terminam da mesma forma.

    Não haverá barco salva-vidas para todos…

    Penso que os governos irão propor uma conversão entre o euro e o euro digital com um euro digital baseado no princípio do criptograma (já existe para os bancos)
    No processo os aforradores perderão 50 a 80 % do valor das suas poupanças … em troca da garantia dos governos ..
    E depois deixarão o papel euro entrar em colapso
    Penso que eles já planearam tudo .
    Então criptográfico? Sim por agora porque os governos têm interesse em que os cidadãos se habituem às moedas digitais
    Mas para mim existe conluio entre os governos actualmente em funções e os grandes fundos de pensões que podem manipular facilmente os valores da criptografia … que apresenta fortes riscos de declínio e subida enquanto a massa investida na criptografia não for suficientemente representativa
    Portanto sim, mas com cautela e se não precisar dos fundos rapidamente .

    O que mais me incomoda nas moedas digitais é que o colapso do sistema monetário levará a um grande colapso da sociedade e, da mesma forma, a um colapso tecnológico substancial e a um caos que perturbará todos os sistemas de troca electrónicos demasiado dependentes da alta tecnologia. Os benefícios destas tecnologias serão visíveis quando o colapso terminar e se as tecnologias tiverem sobrevivido parcialmente, podem ser valorizadas para o futuro…

    Mas para o futuro é uma pena esquecer que moedas como o bitcon requerem uma enorme quantidade de energia. É sustentável depender de uma moeda que não é auto-suficiente para existir? O que requer computadores cujos microprocessadores requerem metais cada vez mais raros.
    As notas não têm valor quando uma barriga está vazia é diferente para o bitcon? Na Venezuela, não há electricidade durante 5 dias. Nesse caso, vender bitcon por uma baguete é impossível? Desde que o sistema mundial não se tenha desmoronado, sim, mas de resto?

    Se os bancos falirem, não há mais criptos, não há mais poupanças, só lhe restarão os cêntimos nos bolsos, o seu patrão não pagará salários, os inquilinos não pagarão renda, etc. Grosseiramente falando, será assim. Não será a idade da pedra porque os nossos antepassados tinham tanto a saúde como as capacidades para lidar com ela, ao passo que nós somos um bando de idiotas indigentes. Como será um pânico, terminará numa “guerra”Coisas más acontecem sempre no fim porque os nossos líderes estão a fazer-se de tolos. É mais corajoso ver o infortúnio acontecer e ter a inteligência para se preparar para ele…. (Não se esqueçam que os americanos querem a guerra. E eles vão fazê-la! Eles são suficientemente estúpidos para o fazerem! Disseram que queriam aniquilar a Rússia. Acreditam honestamente que a Rússia está a ficar mais fraca? O mundo inteiro está do lado da Rússia, todas as sanções são a favor dos russos no final. Até a Arábia Saudita está a deixar cair os americanos! Estamos feitos, está morto, como dizem as crianças, mas desta vez pode ser no primeiro sentido da palavra…)

    Excepto que se houver um colapso, duvido que as vossas bitcoins virtuais estejam seguras, basta uma falha de energia, um problema de gestão do servidor, etc., e as vossas bitcoins desaparecerão na bruma do tempo. Pensam seriamente que se houver um colapso ainda haverá a energia e a gestão necessárias para que a cadeia de bloqueio continue a funcionar? Duvido muito; pessoalmente preferiria investir em terra , e no que diz respeito à terra; na medida do possível a partir das grandes metrópoles que deixarão de ser abastecidas…. Não é preciso ter sentido da realidade para dizer tais coisas… E que garantia tem de que o valor das bitcoins não entrará em colapso, uma moeda cujo valor se baseia em nada mais do que tretas é a última coisa em que eu investiria em antecipação de um colapso.

    Também os activos “amigos do banco central”. Ou seja, os bens preferidos por aqueles que têm acesso ao crédito. Por exemplo, não há nada de raro na acção Tesla. No entanto, explodiu assim que a máquina de impressão de dinheiro covarde explodiu. Da mesma forma (e não vai gostar disto), não foi a escassez de bitcoin que fez subir o seu preço, foi o facto de o bitcoin estar na mente dos grandes investidores que estavam assustados e tinham acesso livre e virtualmente ilimitado ao crédito. Quanto aos bens imóveis, é a mesma coisa, é muito mais caro do que o seu preço real (e vai entrar em colapso, não se previu isso) mas é um bem apreciado por aqueles que têm acesso ao crédito. É este mesmo crédito que provocará o colapso destes bens quando se tornarem insolventes (os bens imóveis funcionam enquanto houver compradores capazes de assumir ainda mais dívidas, excepto que a dívida não é infinita)

Leave a Reply to Antonio torres Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.