Vamos mesmo para a Terceira Guerra Mundial?

(Pedro Tadeu, in Diário de Notícias, 03/08/2022)

Daqui a um mês, quando voltar de férias, poderei estar a escrever sobre a Terceira Guerra Mundial. Daqui a um mês, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão, Europa da NATO e outros satélites poderão estar a combater, simultaneamente, a Rússia, a China e respetivos aliados. Daqui a um mês, o maior potencial destruidor do planeta Terra pode estar a ser utilizado, em frenesim, num combate descontrolado entre todas as potências militares do mundo.

É este medo que a visita de Nancy Pelosi a Taiwan me coloca.

O sinal que dá esta viagem da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA a um território autónomo que a China reivindica como seu (e a ONU concorda) é terrível: depois das autoridades chinesas (em nome de três posições anteriores de reconhecimento da soberania chinesa sobre Taiwan, assinadas pelos líderes dos dois países) terem exigido que essa viagem não acontecesse, depois de tudo o que se passou e se passa na Ucrânia, que conclusão poderemos tirar?…

A resposta parece óbvia: é mesmo do interesse da maior potência do mundo encontrar uma desculpa para lançar a guerra generalizada no planeta, talvez convencida de que essa é a única maneira de manter a sua hegemonia.

A análise da liderança norte-americana, no seu egoísmo nacionalista (semelhante aos egoísmos imperialistas que levaram à I Guerra Mundial), pode até estar certa, mas a sua possível consequência custará milhões de vidas, uma destruição enorme, uma miséria descomunal e o fim da liberdade nas democracias – já declaradamente limitada desde que começou a guerra na Ucrânia.

Não é aceitável.

O paulatino esticar da corda da conflitualidade por parte dos norte-americanos (que entretanto deslocaram para a região mais quatro navios de guerra, incluindo um porta-aviões), na esperança de conseguir uma resposta militar do lado contrário que dê um pretexto “legitimador” para o combate – tática que resultou com Putin – deixa apenas uma esperança: que algum bom senso de última hora dos envolvidos alivie a tensão.

O problema é que o bom senso está a morrer, pois defronta a fúria aniquiladora dos predadores económicos que competem entre si, atrás das lideranças políticas das grandes potencias mundiais.

Esses agentes cercam o raro bom senso com o insulto da traição à pátria e a demagogia de uma hipócrita defesa de superiores valores morais, decorada com apelos subliminares à xenofobia e ao racismo. É o que temos visto, esfuziantemente, desde 24 de fevereiro…

A irracionalidade estúpida que este ambiente de conflito mundial instalou atinge já as coisas mais pequenas e corriqueiras, como se vê em três exemplos de debates públicos, nas últimas semanas, ocorridos no burgo lusitano:

– Um presidente da Assembleia da República que diz palavras sensatas e, até, entusiasmantes (aplaudo de pé) contra o racismo e a xenofobia num dos poucos momentos em que não podia estar a dizê-las: precisamente quando arbitra a discussão de uma proposta do Chega sobre o tema, no parlamento que deveria dirigir com imparcialidade.

– Um governo que critica publicamente (e bem) a ingerência da embaixada russa ao atacar um exercício legítimo da liberdade de expressão do cantor Pedro Abrunhosa. Só que não fez o mesmo quando houve um pedido de ilegalização do PCP feito pelo presidente da Associação de Refugiados Ucranianos, nem quando a embaixadora ucraniana da altura acusou os comunistas de participarem “numa campanha de desinformação russa”. Isso não foi um atentado à liberdade de expressão e uma ingerência na vida interna do país? Porquê esta dualidade de critérios?

– E os mesmos furiosos defensores da liberdade de expressão de Pedro Abrunhosa, que usou esse direito para surfar a onda gigantesca anti-Putin, lançaram um debate arrepelado contra o exercício da liberdade dos artistas que decidiram ir à Festa do “Avante!” deste ano, um local onde a onda, bem mais pequena, é a dos que acreditam que ser anti-Putin até é razoável, mas é também terrivelmente insuficiente para chegarmos a uma paz justa e sustentável. Com defensores destes da liberdade de expressão, o futuro desta não é nada promissor…

Vou de férias. Volto em setembro, depois da Festa do “Avante!”, se esses que tentam dominar a seu gosto a liberdade de expressão ainda deixarem.

Jornalista


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

4 pensamentos sobre “Vamos mesmo para a Terceira Guerra Mundial?

  1. A extensão do conflito e a crise global,entre outras coisas deve permitir o advento será de uma moeda digital totalitária,o unico objectivo dos poderosos de purgar o sistema monetário. A UE e o euro irão desaparecer.

    Chamamos-lhe o efeito bumerangue.

    O que futuro nos espera neste mundo onde o egoismo,a mentira e a hipocrisia,não tem nada para esconder os seus rostos,o capitalismo;o desejo de hegemonia.

  2. Eles não querem ouvir ,mas um dia terão a casa queimada…….B.Brechet…..coragem P Tadeu,,,,,pq eles querrem calar-Nos…..e já se ouvem os seus ritos de “guerra” e queimam tudo àpassagem……

Leave a Reply to armando villanova Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.