A Rússia reescreve a Arte da Guerra Híbrida

(Pepe Escobar, in Strategic Culture, 20/05/2022, trad. Estátua de Sal)

A Guerra Híbrida está a ser travada predominantemente no campo de batalha económico/financeiro – e o nível da dor para o Ocidente coletivo só vai subir.


A “narrativa” ficcional imposta por toda a NATO é que a Ucrânia está a “ganhar”.

Então, porque é que o vendedor ambulante de armas, o chefe do Pentágono Lloyd “Raytheon” Austin, iria implorar literalmente, desde finais de Fevereiro, que o Ministro da Defesa russo Shoigu lhe atendesse o telefone, apenas para ter finalmente o seu desejo atendido?

É agora confirmado por uma das minhas principais fontes de informação. O telefonema foi uma consequência direta do pânico. O Governo dos Estados Unidos (USG) quer, por todos os meios, acabar com a detalhada investigação russa – e da acumulação de provas – sobre os laboratórios americanos de armas biológicas na Ucrânia, tal como sublinhei num artigo anterior.

Esta chamada telefónica aconteceu exatamente após uma declaração oficial russa ao Conselho de Segurança da ONU, a 13 de Maio: utilizaremos os artigos 5 e 6 da Convenção sobre a Proibição de Armas Biológicas para investigar as “experiências” biológicas do Pentágono na Ucrânia.

Isto foi reiterado por Thomas Markram, Subsecretário-Geral da ONU responsável pelo desarmamento, mesmo quando todos os embaixadores dos países membros da NATO, como era previsível, negaram as provas recolhidas como sendo “desinformação russa”.

Shoigu, frio, antecipa a chegada da chamada com muita antecedência. A Reuters, limitando-se a citar o proverbial “funcionário do Pentágono”, disse que o alegado apelo de uma hora de duração não levou a nada. Disparate. Austin, segundo os americanos, exigiu um “cessar-fogo” – que deve ter dado origem a um sorriso de gato siberiano no rosto de Shoigu.

Shoigu sabe exatamente para que lado sopra o vento no terreno – tanto para as Forças Armadas Ucranianas como para os UkroNazis. Não se trata apenas da derrocada do Azovstal – e do colapso de todo o exército de Kiev.

Após a queda de Popasnaya – o bastião crucial e mais fortificado da Ucrânia em Donbass – os russos e as forças de Donetsk/Luhansk aniquilaram as defesas ao longo de quatro vetores diferentes a norte, noroeste, oeste e sul. O que resta da frente ucraniana está a desmoronar-se – rapidamente, com um caldeirão maciço subdividido num labirinto de mini caldeirões: um desastre militar que o Governo dos EUA não pode evitar.

Assim, podemos esperar uma exposição total – com sobre-exploração – da questão das armas biológicas do Pentágono. A única “oferta que não se pode recusar” que resta aos EUA seria apresentar algo tangível aos russos para evitar uma investigação completa.

Ora, isso não vai acontecer. Moscovo está plenamente consciente de que tornar público o programa ilegal de armas biológicas proibidas é uma ameaça existencial para o Estado Profundo dos EUA. Especialmente quando documentos apreendidos pelos russos mostram que a Big Pharma – através da Pfizer, Moderna, Merck e Gilead – esteve envolvida em várias “experiências”. Expor completamente todo aquele labirinto foi, desde o início, um dos objetivos declarados por Putin.

Mais “medidas militares-técnicas”?

Três dias após a apresentação na ONU, a direção do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo realizou uma sessão especial para discutir “as realidades geopolíticas radicalmente alteradas que se desenvolveram como resultado da guerra híbrida contra o nosso país desencadeada pelo Ocidente – sob o pretexto da situação na Ucrânia – sem precedentes em escala e ferocidade, incluindo o renascimento na Europa de uma visão do mundo racista sob a forma de uma russofobia rupestre, uma via aberta para a “abolição” da Rússia e de tudo o que é russo”.

Portanto, não é de admirar que “o agressivo curso revisionista do Ocidente exija uma revisão radical das relações da Rússia com os Estados hostis”.

Devemos esperar “uma nova edição do Conceito de Política Externa da Federação Russa” que sairá em breve.

Este novo Conceito de Política Externa irá desenvolver o que o Ministro dos Negócios Estrangeiros Lavrov voltou a salientar na reunião da 30ª Assembleia do Conselho de Política Externa e de Defesa: os EUA declararam uma Guerra Híbrida geral contra a Rússia. A única coisa que falta agora, é uma declaração formal de guerra.

Para além do nevoeiro de desinformação que encobre a candidatura da Finlândia e da Suécia – chamemos-lhes os Idiotas e os nórdicos mais idiotas – para aderirem à NATO, o que realmente importa é outro exemplo de declaração de guerra: a perspetiva de mísseis com ogivas nucleares estacionados realmente perto das fronteiras russas. Moscovo já avisou os finlandeses e os suecos, educadamente, que isto seria tratado através de “medidas técnico-militares”. Foi exatamente disso que Washington – e os lacaios da NATO – foram informados do que aconteceria antes do início da Operação Z.

E, claro, isto é ainda mais grave, envolvendo também a Roménia e a Polónia. Bucareste já tem lançadores de mísseis terrestres Aegis Ashore capazes de enviar Tomahawks com ogivas nucleares para a Rússia, enquanto Varsóvia recebeu os mesmos sistemas. Indo diretos ao assunto: se não houver uma desescalada, todos acabarão por receber o cartão-de-visita hipersónico do Sr. Khinzal.

Entretanto, a Turquia, membro da NATO, joga um jogo de destreza, emitindo a sua própria lista de exigências antes mesmo de considerar o jogo dos nórdicos. Ancara não quer mais sanções pelas suas compras de S-400s e ser incluída de novo no programa F-35. Será fascinante ver o que “his master’s voice” vai inventar para seduzir o sultão. Os nórdicos empenharam-se numa “posição clara e inequívoca” autocorretora contra o PKK e o PYD não é claramente suficiente para o sultão, que gostou ainda mais de turvar as águas ao salientar que a compra de energia russa é uma questão “estratégica” para a Turquia.

Contrabalançar o Choque Financeiro

Neste momento, é evidente que a Operação Z em aberto visa a potência unipolar hegemónica, a expansão infinita da NATO vassalada, e a arquitetura financeira mundial – uma combinação entrelaçada que transcende largamente o campo de batalha da Ucrânia.

A histeria do pacote de sanções em série do Ocidente acabou por desencadear os movimentos contra financeiros, até agora bastante bem sucedidos, da Rússia. A Guerra Híbrida está a ser travada predominantemente no campo de batalha económico/financeiro – e o nível de dor para o Ocidente coletivo só vai subir: inflação, preços mais elevados das matérias-primas, rutura das cadeias de abastecimento, custo de vida em explosão, empobrecimento das classes médias, e infelizmente para grandes extensões do Sul Global, pobreza e fome.

Num futuro próximo, à medida que as evidências internas surgirem, talvez mesmo se descubra que a liderança russa até jogou e apostou no roubo flagrante pelo Ocidente de mais de US $ 300 bilhões em reservas russas.

Tal implica que já há anos atrás – digamos, pelo menos a partir de 2016, com base em análises de Sergey Glazyev – o Kremlin sabia que isso iria inevitavelmente acontecer. Como a confiança continua a ser uma base rígida de um sistema monetário, a liderança russa pode ter calculado que os americanos e os seus vassalos, conduzidos pela russofobia cega, jogariam todas as suas fichas de uma só vez quando o empurrão chegasse – demolindo por completo a confiança global no “seu” sistema.

Devido aos infinitos recursos naturais da Rússia, o Kremlin pode ter tido em conta que a nação acabaria por sobreviver ao choque financeiro – e até lucrar com ele (incluindo a valorização do rublo). A recompensa é demasiado doce: abrir o caminho para O Dólar Condenado – sem ter de pedir ao Sr. Sarmat que apresente o seu cartão-de-visita nuclear.

A Rússia pode mesmo até cogitar a hipótese de obter um retorno poderoso desses fundos roubados. Uma grande quantidade de ativos ocidentais – totalizando até US$ 500 bilhões – pode ser nacionalizada se o Kremlin assim o desejar

Assim, a Rússia está a ganhar não só militarmente mas também, em grande medida, geopoliticamente – 88% do planeta não se alinha com a histeria da NATO – e, claro, na esfera económica/financeira.

De facto, este é o campo de batalha chave da Guerra Híbrida, onde o Ocidente coletivo está a ser posto em cheque. Um dos próximos passos fundamentais será uma expansão dos BRICS coordenando a sua estratégia de desvio do dólar.

Nenhum dos passos acima referidos deverá ensombrar as repercussões interligadas ainda por avaliar da rendição em massa dos neonazis Azov no centro do UkroNazistão em Azovstal.

A mítica “narrativa” ocidental sobre os heróis da luta pela liberdade imposta desde Fevereiro pelos meios de comunicação social da NATOstão caiu com um único golpe. Pêsames para o silêncio estrondoso em toda a frente da guerra de informação ocidental, onde nem mesmo os vira-latas tentaram cantar aquela canção merdosa “vencedora” da Eurovisão.

O que aconteceu, no fundo, é que o creme de la creme dos neonazis treinados pela NATO, “aconselhados” pelos melhores peritos ocidentais, armados até à morte, entrincheirados em bunkers antinucleares de betão profundo nas entranhas de Azovstal, foi pulverizado ou forçado a render-se como ratos encurralados.

Novorossiya como uma mudança de jogo

O Estado-Maior russo estará a ajustar as suas táticas para o grande enfrentamento em Donbass – como os melhores analistas e correspondentes de guerra russos incessantemente debatem. Terão de enfrentar um problema inescapável: à medida que o exército russo metodicamente esmaga o – desagregado – exército ucraniano em Donbass, um novo exército da NATO está a ser treinado e armado na Ucrânia ocidental.

Assim, existe um perigo real de que, dependendo dos objetivos finais a longo prazo da Operação Z – que só são partilhados pela liderança militar russa – Moscovo corra o risco de encontrar, dentro de poucos meses, uma reencarnação móvel e melhor armada do exército desmoralizado que está agora a destruir. E é exatamente isso que os americanos querem dizer com o “enfraquecimento” da Rússia.

Até ver, há várias razões pelas quais uma nova realidade Novorossiya pode revelar-se uma mudança de jogo positiva para a Rússia. Entre elas:

  1. O complexo económico/logístico de Kharkov a Odessa – ao longo de Donetsk, Luhansk, Dnepropetrovsk, Zaporozhye, Kherson, Nikolaev – está intimamente ligado à indústria russa.
  2. Ao controlar o Mar de Azov – já um “lago russo” de facto – e subsequentemente o Mar Negro, a Rússia terá o controlo total das rotas de exportação para a produção de cereais de classe mundial da região. Bónus extra: exclusão total da NATO.
  3. Tudo isto sugere um esforço concertado para o desenvolvimento de um complexo agro-industrial integrado – com o bónus extra de um potencial turístico sério.

Neste cenário, uma Ucrânia de Kiev-Lviv remanescente, não incorporada na Rússia, e naturalmente não reconstruída, seria, na melhor das hipóteses, sujeita a uma zona de exclusão aérea mais ataques de artilharia/mísseis/drone selecionados no caso de a OTAN continuar a entreter ideias engraçadas.

Esta seria uma conclusão lógica para uma Operação Militar Especial centrada em ataques de precisão e numa ênfase deliberada em poupar vidas civis e infraestruturas, ao mesmo tempo que incapacita metodicamente o espectro militar/logístico ucraniano.

Tudo isto leva tempo. Contudo, a Rússia pode ter todo o tempo do mundo, uma vez que todos nós continuamos a ouvir o som do Ocidente coletivo a descer em espiral.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

11 pensamentos sobre “A Rússia reescreve a Arte da Guerra Híbrida

  1. Este Pepe Escobar ( decerto primo do Pablo.. ), é um nefelibata. Ou, se calhar, até nem é. Se calhar recebe de Moscovo os 30 dinheiros para bolsar estas bujardas. Mas, como sempre gostei de anedotas e de humor negro e, também, de humor nonsense, continua, Pepito, continua……………

    • Está historieta dos laboratórios é só fumaça: o Lloyd Austin foi negociar o repatriamento dos “conselheiros militares” americanos e britânicos, presos no Azovstal. Mas isto acho eu, que não estou na folha de pagamentos do Kremlin…

  2. A nova ordem mundial está a ser posta em prática através da globalização e dos seus efeitos (saúde entre outros), através da 3ª Guerra Mundial e através da organização económica através de carências, inflações, dívidas “soberanas” e dos problemas financeiros e monetários que se avizinham.

    Desde o início deste caso, tenho procurado em vão na Internet se estes laboratórios clandestinos existiam realmente.

    Encontrei laboratórios como o “dnipropetrovsk” financiado pelos Estados Unidos desde 2010, e ao avançar em páginas que foram desclassificadas ou eliminadas da WEB.

    Portanto, existe um problema real de P4 classificado P2 na Ucrânia, e nunca saberemos quem e como a propagação de vírus que são “criados” lá começará.

    A guerra é finalmente um jogo para os nossos líderes que esperam forçar a população à sua vontade.

    Não tendo atingido os seus objectivos de subjugar os pequenos à casta globalista, o plano B foi activado com a guerra na Ucrânia.

    Os laboratórios foram listados no website da Embaixada dos EUA na Ucrânia. Isto não é uma hipótese. Podia ser encontrado na Internet muito facilmente. O grupo globalista que nos governa com o nosso próprio dinheiro é psicopata.

    As autoridades russas tendem a dizer a verdade, ou a guardá-la para si próprias.
    ou para o manter calado.
    Os regimes ocidentais são o império das mentiras.

    Tudo o que a lei proíbe nos EUA é levado a cabo nas colónias europeias onde os governos locais não têm controlo.

    Já nada me surpreende.
    É possível capturar soldados dos batalhões Azov e mostrá-los a nós? Parece que estes batalhões com tendências nazis têm instrutores canadianos… de acordo com Asselineau ?????????
    Esta guerra cheira mal de ambos os lados!

    Também no Cazaquistão havia laboratórios P4 americanos não muito longe da fronteira chinesa. A Rússia garantiu-os primeiro. Eventualmente, saberemos tudo. Os ucranianos dizem que destruíram todas as estirpes. Mas ainda existem documentos. Os russos também asseguraram o sítio de investigação nuclear que estava prestes a conceber uma bomba nuclear com a ajuda dos americanos.

    O facto de os americanos terem laboratórios bacteriológicos na Ucrânia não é controverso. Estava no website da embaixada dos EUA. Os russos têm todas as provas. Também intervieram para destruir laboratórios durante as suas intervenções no Cazaquistão.

    De acordo com algumas fontes os laboratórios biológicos instalados na Ucrânia e na Geórgia (ou mesmo em qualquer outro lugar) e não em território dos EUA (devido a um perigo grave), isto seria apenas para investigação ? Comparem isto com a colecção de perfis genéticos (incluindo eslavos) realizada pelos serviços secretos dos EUA durante anos. Ao misturar as duas, devemos temer por uma nova pandemia?

    Tenho uma suspeita furtiva de que as provas russas, quando chegar o momento, serão mais convincentes do que as ADM de Sadam Hussein ou os múltiplos ataques de gás de Bashar Al Assad à sua população. Já para não falar das incubadoras no Kuwait.

    Os americanos habituaram-se a lutar as suas guerras fora de casa, nas casas de outras pessoas, e a testar e desenvolver o seu lixo também nas casas de outras pessoas.
    O principal problema da globalização é a corrupção generalizada.
    E não é um Joe morto-vivo que se lhe oporá.

    Se a estratégia a curto prazo da oligarquia mundial é reduzir a demografia, será obviamente necessário ter os instrumentos para o fazer e a Rússia sem russos mas com energia fóssil em quantidade deverá interessar aos nossos “primos americanos” ..

    E agora que sabem manipular o ADN, podem fazer com que estas armas biológicas afectem apenas certos grupos étnicos e fazer desaparecer, aqueles que decidirem… pura e simples eugenia, como se os nazis não tivessem desaparecido, só funcionam de forma diferente. Estava na calha e Putin sabia-o muito bem.

    O Estado Profundo está a ser exposto, eles estão a descer como nunca antes…

    Já várias vezes, os americanos foram apanhados com os dedos no pote de compota (Watergate, Irangate, contras, Indonésia, Guantanamo, armas de destruição maciça de Sadam Hussein, etc.) mas continuam a tomar-nos por tolos.
    No final, estão certos!
    Mas a conta será apresentada um dia ou outro .

    A Ucrânia para os EUA, sob a cobertura da NATO e com a bênção das ovelhas da UE, é uma pechincha melhor do que Wuhan, pois só Deus sabe que tipo de porcaria…

    Estes laboratórios tinham os seus endereços nos documentos dos EUA e foram retirados no início da guerra com os russos, a clique Biden tinha enormes interesses na Ucrânia e Victoria Nuland (um nome predestinado) tinha dito ao telefone que era necessário “foder” a Europa e os europeus, os EUA são um país de gangsters normais que enviamos para lá no passado as escórias das nossas sociedades, é passado nos genes, não negociamos nem debatemos com os primatas.

    Existem laboratórios de investigação biológica em todo o mundo, que deviam ser proibidos.

    Biolabs secretos dos EUA na Ucrânia …. Blog Algora
    Sob Obama, democrata
    ” ” A embaixada recordou também que o Centro de Ciência e Tecnologia na Ucrânia (STCU), mencionado por Kuzmin na sua candidatura, é uma organização intergovernamental criada já em 1993. Agora inclui o Azerbaijão, a União Europeia, a Geórgia, a Moldávia e o Uzbequistão, para além da Ucrânia e dos Estados Unidos.

    Em conclusão, os americanos escrevem que essa cooperação EUA-Ucrânia é necessária para “a paz e prosperidade globais, reduzindo os riscos associados às armas químicas, biológicas, radiológicas e nucleares”. ” ”
    Testes destes produtos perigosos foram realizados em populações russas com estatísticas que provam a existência de mortes.
    Por conseguinte, basta pedir explicações a partir de :
    – U von der Leyen, D/CDU, Presidente da Comissão Europeia (recomendada por Angela Merkel, CDU) que conhece o orçamento atribuído a estas experiências de acordo com os Estados Unidos e a NATO, finanças provenientes dos cidadãos europeus;

    – R Metsola, Maltese (recomendada por George Soros, Open Society, Fabien Society) pres. do Parlamento Europeu que controla e aprova ou não o orçamento da Comissão através das suas várias comissões parlamentares.
    – Virgine Jorion, F, MEP está muito interessada em vírus fabricados e vacinas subsequentes pelas encomendas ocultas da Comissão.
    Entrámos em guerra com a Rússia e Putin, com base na submissão total aos EUA, à NATO, apesar de todos sabermos o quanto os EUA nos desprezam e instrumentalizam. E insultam-nos abertamente:
    https://www.lemonde.fr/europe/article/2014/02/09/les-cinq-lecons-du-fuck-the-eu-d-une-diplomate-americaine_4363017_3214.html
    A Sra. Victoria Runland, Democrata, Representante Permanente junto da NATO, entre outros… envia as suas saudações aos europeus.
    ☣US bioresearch in Ukraine launched☣ por Obama em 2005 ‘ Jouwatch (journalistenwatch.com)
    Não podemos permanecer amordaçados.

    A vida não tem o mesmo preço nos países mais pobres que nos nossos. Além disso, os laboratórios não arriscam uma acção legal em caso de acidentes iatrogénicos graves, nenhum ruído dos meios de comunicação, nem visto nem conhecido. Também não há necessidade de animais de laboratório, os nossos anti-espécimes ficarão satisfeitos. Fauci e Gates têm vindo a praticar o método há anos com a África impunemente.

    O antigo Presidente dos EUA Barack Obama admitiu que “milhares de milhões de pessoas” em todo o mundo têm sido utilizadas como cobaias em ensaios clínicos pela Big Pharma. Ele disse que a humanidade tem sido “essencialmente testada clinicamente” no desenvolvimento de vacinas Covid-19″. (fonte: Digital Dawn).

    “Os laboratórios farmacêuticos não são apenas “bons rapazes”, é tão verdade que nos romances para adolescentes ou adultos, o grande mau da fita tem sido os laboratórios farmacêuticos durante alguns anos.
    Ex: “Geração A” do talentoso Douglas Coupland (autor e criador do conceito Geração X) que descreve um mundo higienizado onde as abelhas desapareceram do planeta e o grande vilão acaba por ser o laboratório que finge ajudar os heróis..

    Muito teria a dizer,mas fico-me por aqui,tenho que trabalhar.

      • Quando não lhes agrada falam em copy paste, em “chorrilhos de asneiras”. Eu não sei se são, ou não, asneiras porque não me dispus a pesquisar. Mas, olha lá, porque não escreves então algo que rebatam as asneiras? Porque isto é mesmo muito pouco e mostra a tua ignorância.

  3. Narrativa ficcional imposta pela NATO? E a narrativa de Putin é a única a verdadeira, a fiável, que não é imposta, não é censurada… Mas que treta mais facciosa.

  4. Perspectivas assustadoras…é bom ver alguém a falar do assunto.
    O perigo é real e está na hora de sair da esfera da “conspiração ”
    A propósito, conspiração é uma palavra que erradicou o que em tempos foi nobre: o espírito crítico !

  5. Começa a ficar claro que os russos controlam a situação e que os próximos desenvolvimentos serão feitos quando e como eles quiserem, é o que faz jogar xadrez contra um adversário que joga póquer… e é por isso que os laboratórios de armas biológicas e outras questões hão-de ser expostos na altura certa, tal como o foram os «heróis que terminaram ontem a missão de Azvostal». Aqui estão eles para quem ainda não viu, são menos de 3 minutos e o dia de ontem foi todo assim, as imagens estão literalmente carregadas de simbolismo e de certeza que não as veremos comentadas pelo Milhazes e o Rogeiro…

Leave a Reply to Fernando Garrido Cancel reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.