TAP: matar o ator do ato inevitável

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 07/07/2020)

Na falsa indignação com o inevitável desfecho na TAP não conta apenas o ato. Também conta o ator. Pedro Nuno Santos contará sempre com menos tolerância mediática do que dirigentes do PCP ou do BE. Uma coisa é ter alguém mais à esquerda nos partidos da chamada esquerda radical. Outra é ter um socialista claramente situado à esquerda com ambições de liderança no PS.


Já escrevi sobre o controlo público da TAP e a minha posição não mudou. Ela podia ser, com esforço e se fizessem muita questão, ideológica. Num tempo em que os Estados perderam soberania monetária, têm pouco controlo das suas fronteiras comerciais e sobre o mercado de capitais e que o seu espaço de manobra nas políticas fiscais se reduz a pouco mais do que a possibilidade de baixar impostos às empresas, sobra a detenção de algumas empresas fundamentais. Isto não é ser contra a economia de mercado, é defender que o Estado deve ter instrumentos para ser um estratega e não apenas um regulador. Eu diria que a minha posição é mais moderada do que a dos que defendem que ao Estado cabe apenas ser árbitro, mas a moderação e o radicalismo depende sempre do lugar de onde se olha.

Esta seria a razão pela qual defenderia uma TAP pública. Não porque preste um serviço público, como os transportes urbanos ou ferroviários. Mas porque tem uma função económica que nos permite garantir alguns restos de soberania, não dependendo completamente da vontade de terceiros. É a mesma razão pela qual defendo, numa economia de mercado, que a nossa dimensão aconselha a pôr em mãos públicas não só monopólios naturais, como a REN, não só a exploração e a distribuição de bens, como a água e a energia, mas também alguns instrumentos estruturantes, como um banco público – a CGD, por exemplo. E recuso que a minha posição esteja mais toldada por qualquer preconceito ideológico do que aquela que acredita na tendência natural do mercado e da concorrência para o equilíbrio, desmentida diariamente pela realidade.

Mas, infelizmente, não foi por nada disto que levou à nacionalização da TAP e da Efacec – não distingo, no essencial, controlo maioritariamente público e nacionalização. Na TAP, foi porque a crise determinou que ou o Estado metia dinheiro na empresa sem qualquer controlo, ou a deixava falir ou a nacionalizava. E todos os que pensaram nas consequências dessa falência têm muitíssimo cuidado e não a defendem. Na Efacec foi porque o problema de um acionista poderia levar à falência de uma empresa produtiva, lucrativa e importante para o país.

Muitos dos que se juntaram ao clamor contra o dinheiro que vai ser injetado na TAP defenderam a inevitabilidade de o fazer no Novo Banco. Com a diferença que no primeiro caso isso ainda permite que o Estado controle o que é feito com esse dinheiro, no segundo, como sabem, não. Mas a coisa que mais me perturba é a quantidade de pessoas que, para não ter uma posição impopular, diz que a falência seria péssima e que a nacionalização é um escândalo. Assim é fácil. Ninguém minimamente responsável se atreve, depois de criticar a nacionalização, a defender a falência sabe quanto isso custaria à economia nacional. Para não dispersar, deixo para outro texto o que significaria a falência de uma empresa da dimensão e importância da TAP.

Na falsa indignação não conta apenas o ato. Também conta o ator. Com a cada vez mais habitual ausência de António Costa sempre que as coisas são mais difíceis, foi o ministro das Infraestruturas que teve de lidar publicamente com um dossier quer herdou. E Pedro Nuno Santos é da ala esquerda do PS. E contará sempre com menos tolerância dos poderes mediáticos do que dirigentes do PCP ou do BE. Uma coisa é ter alguém de esquerda nos partidos da chamada esquerda radical. Outra é ter um socialista claramente situado à esquerda com ambições de liderança no PS. Todo o consenso tem de se fazer fora do socialismo democrático e quem se atreva a tentar ressuscitá-lo será cilindrado no espaço mediático.

A ideia de que pode nascer um discurso político e económico alternativo ao que domina o centro-esquerda desde o inicio dos anos 90 deixa quem tem as chaves dos portões do que é razoável fora de si. A ponto de a nacionalização da TAP, que infelizmente nada tem de programático, ser intolerável. A ponto de preferirem ver a TAP falir, coisa que nem os empresários mais liberais deste país desejam, a dar razão a quem a nacionaliza A ponto de os mesmos que defenderam que se despejassem quantias exorbitantes na banca privada rasgarem as vestes contra a injeção de dinheiro público numa TAP pública.

3 pensamentos sobre “TAP: matar o ator do ato inevitável

  1. E pronto! O caso TAP deixou de ter vestes empresariais, sendo totalmente vestido de ideologia e politiquice. Assim sendo, não se apurando responsabilidades através de uma auditoria à “gestão profissional” de longos 17 anos de Fernando Pinto, temo muito que se voltem a cometer os mesmos erros. O primeiro dos quais foi a contratação do homem que levou a brasileira VARIG à falência para “salvar”a TAP. Aí está ela, TAP, “salva!!!” O baiano Antonoaldo Neves, apenas lhe fechou a tampa do caixão, até porque em 17 anos nunca deixou de estar moribunda, com um coração português pequeno demais para o imenso inchaço brasileiro que sofreu . O tremendo inchaço no Brasil disso se encarregou. E também a ambição de Fernando Pinto:
    Excerto: “Fernando Pinto, afastado da presidência da VARIG em 2000. E ele nunca escondeu o sonho de retomar o manche da companhia, numa volta triunfal. Só tem um problema: a TAP exige o controlo da VARIG, mas pela lei só pode ficar com 20%. A saída seria se associar a um investidor nacional disposto a bancar os 31% restantes.” Fonte: https://vermelho.org.br/2006/04/15/relembrando-os-fatos-tucanos-levaram-varig-a-falencia-2/
    Não comprou a falida VARIG – se o tivesse feito a TAP teria desaparecido com a VARIG -, comprou a Manutenção da VARIG, a VEM, sabendo que os aviões da companhia brasileira iriam sumir! E assim meteu a TAP em grandes prejuízos e sarilhos:
    “Historia TAP, VARIG, Varilog e VEM vista pelo ponto de vista da imprensa brasileira”
    http://www.presstur.com/empresas—negocios/aviacao/varig-anuncia-venda-da-vem-a-tap-e-da-variglog-ao-matlin-patterson/
    Quem teria dado o aval a Fernando Pinto para comprar a VARIG e a VEM com o dinheiro dos contribuintes portugueses? Pinto estava a defender interesses de Portugal, do Brasil ou pessoais?

  2. Concordo que a TAP só pode ser nacionalizada.

    Começa logo que, como dizem os neoliberais, quem paga manda.

    Mas em neoliberalismo por alguma razão esquisita quando é o estado, o contribuinte ou o trabalhador a pagar, nunca mandam nada.

    Quanto á ala esquerda do PS, gosto imenso.

    É assim como um animal raro que só aparece de tantos em tantos anos.

    E vê-se que não está no seu ambiente natural, todos os outros bichos em volta a olham como algo antinatural.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.