Marcelo e o PR

(Carlos Esperança, 29/12/2019)

Há entre Marcelo e o PR a difícil convivência onde é difícil distinguir o comentador e o PR, o zelador do regular funcionamento das instituições e o ‘agitprop’ que as perturba, o garante da laicidade da CRP e o crente, em voo picado, a oscular anelões episcopais.

Marcelo não falha com a selfie a um colecionador de retratos, com o ósculo a um rosto sofredor, uma venera a um peito inchado, uma declaração a jornalistas que o seguem, o afago a um sem-abrigo ou o auxílio à profissional da caridade que exibe as esmolas que distribui.

Marcelo vai a missas de sufrágio, a fogos e inundações, a banhos a praias, fluviais ou de mar, a funerais e tomadas de posse, a imposição de veneras, e faz declarações a todos os jornais, diários ou de parece, canais de rádio e televisão. Diz o que as pessoas querem e gostam, tem respostas para tudo e, se não agradam, tem outras.

O narcisismo de Marcelo colide com a função, o desejo de consideração choca com a compostura e a avidez de poder com a intromissão nas funções do Executivo e pressão ilegítima na vida partidária.

O PR não pode pressionar a viabilização do Orçamento de Estado nem indicar partidos que o devam fazer, “as forças que estiveram na base do apoio ao anterior governo”, e não deve, a cada desastre, censurar o Governo. Apenas lhe cabe dissolver a AR, ouvido o Conselho de Estado, sem recados próprios ou por Conselheiro alheio, se entender que o regular funcionamento das instituições está em risco.

Quando há duas catástrofes guarda uma em agenda, o que não é grave. Grave é ir dizer às populações do Baixo Mondego, ‘isto não é só a natureza, em Lisboa fizeram asneiras’, quando o ministro do Ambiente, alertou – e bem –, para riscos de construção em locais inundáveis, quando 200 milhões de pessoas terão de ser evacuadas neste século, em todo o mundo, pela subida das águas do mar.

La Palice também diria que as cheias no Baixo Mondego são “um problema nacional” que exige soluções …, sem precisão de procurar as soluções que exige a’ “os senhores de Lisboa” que estão “sentados à secretária”, para acrescentar em piedosa emoção que “Só vendo é que se tem a noção daquilo que pela televisão já impressiona”.

Há dias disse que 18 mil milhões de euros para o Estado apoiar o sistema financeiro na última década “não foi uma boa solução”, mas evitou o “colapso da economia nacional”. Afinal, foi má solução ou seria pior o colapso da economia?

Segundo o FROB, do resgate da banca espanhola são já considerados perdidos 45.640 milhões para o Estado do total de fundos injetados, 58.685 milhões de euros, 4,86% do PIB. Se não foi boa solução, seria melhor o colapso da economia espanhola?

O PR tem de afastar-se de Marcelo para acabar com dignidade o mandato. Compreende-se o pungente lamento de quem votou nele.

Advertisements

7 pensamentos sobre “Marcelo e o PR

  1. Presidente da República – figura dispensável num regime democrático

    Nada melhor do que uma campanha presidencial para uma reflexão sobre a inutilidade do cargo, emanação oligárquica de um chamado poder moderador construído para controlar os parlamentos, as verdadeiras representações dos povos em regimes genuinamente democráticos; como não é o caso português

    1 – Um problema central – o regime político
    2 – A luta entre a democracia e as oligarquias; a invenção do poder moderador
    3 – A figura do PR na história portuguesa
    4 – O papel do PR na Constituição portuguesa
    4.1 – As funções presidenciais; as potenciais, as inúteis e as burocráticas

    Aqui:
    http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/01/presidente-da-republica-figura.html

  2. O verdadeiro problema não está entre Marcelo e o PR. A questão consiste em existirem dois PR : O primeiro, embora por vezes não pareça, é aquele que é Presidente da Republica. O segundo PR é o Doppelgänger* do primeiro, aquele que faz o papel de seu Public Relations. Como diz a palavra, ambos são absolutamente iguais, impossíveis de distinguir.
    * Doppelgänger- Palavra alemã que designa a aparição de um duplo absolutamente identico a uma pessoa viva.

  3. Depois de Cavaco tudo tem a tendência de ser melhor! Marcelo é o que merecemos depois de tanto sofrer às mãos pafiosas. Depois vem a recorrente história do velho, do rapaz e do burro… O certo é que estamos melhor que no passado recente e remoto. Nada de foguetes, o melhor é inatingível! Mas o caminho é esse, e dormir nessa estrada não é recomendável… assim reclamar sempre é positivo! E sobre o “narcisismo marceliano” é opinião que não prejudica a realidade e o progresso, é inócuo.

  4. Cá a gente já conhece muito bem a coisa a coisa cheira já tão mal que não vale a pena tocar-lhe porque assim fica assim e ainda a cheirar mais mal-

Responder a lggarcia00 Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.