A Europa e o liberalismo

(Eldad Manuel Neto, 14/12/2019)

A UE tem os dias contados. As grandes economias mundiais estão nas mãos de nacionalistas poderosos. Todos eles possuem armamento esmagador. Rússia, China e EUA preparam a repartição da sua quota parte nesse aniquilamento. Com o BREXIT ganham um ponta de lança europeu nessa estratégia.

No seio da UE proliferam os partidos de extrema-direita financiados pelos chacais que a querem destruir.

A UE conta apenas com duas economias desenvolvidas e industrializadas. Todavia, toda a UE liquidou, há muito, o caminho da solidariedade e da justiça social. A maioria dos seus dirigentes são fiéis seguidores do capital em detrimento do trabalho e da dignidade humana. As centrais de poder da UE, nomeadamente o Eurogrupo, convergem nas estúpidas políticas de controlo do défice asfixiando cada vez mais as soberanias e os serviços públicos. O capitalismo nunca viveu fase mais concentracionária.
A democracia representativa tradicional não responde às angústias e problemas do mundo do trabalho. A atracão deste exército laboral é, cada vez mais, presa fácil dos nacionalismos e populismos que alastram perigosamente.

A Europa dos Livros, das Artes, dos Direitos Humanos, do Ensino Público, da Saúde Pública e das Pensões está a chegar ao fim. A morte dos Partidos Socialistas e Social-Democratas que, nas últimas décadas, traíram os seus eleitores, colocou no poder os fiéis serventuários das Goldman Sachs deste mundo. O dinheiro emigrou, sem escrúpulos e travões dos líderes europeus, para as offshores sem rosto.

Na América Latina os golpes sucedem-se. O Brasil prossegue o seu caminho de fascização. A ONU é, hoje, um palco decorativo sem influência.

A total ausência de políticas europeias comuns na defesa do trabalho, dos salários dignos e do Estado Social enfraquece a passos largos o Espaço Europeu.

O “ Suplício e Paixão do Socialismo”, traçado no livro de Rui Namorado, impõe aos democratas e socialistas europeus séria reflexão.

Não deixa de ser curiosa a pública dissensão entre Costa e Centeno quanto ao Quadro proposto pelo Eurogrupo. A desvalorização do Trabalho, dos Direitos Humanos e da Justiça Social mergulha a Europa,neste quadro de forças, na subserviência e na capitulação.

3 pensamentos sobre “A Europa e o liberalismo

  1. > Rússia, China e EUA preparam a repartição da sua quota parte nesse aniquilamento.

    Certamente não será à bomba, e o armamento produzido pelo eixo Franco-Alemão também tem clientes pouco recomendáveis, diga-se.
    Mas quanto ao desmantelamento, tenho dúvidas, a política de austeritarismo que leva os países europeus a colocar-se a si próprios à venda (em negócios que incluem uns cargozinhos) tem muito mais vantagens para o capital que controla esses países. Se algum separatista impedi-se a venda de monopólios naturais, ou, credo, nacionalizações, era uma chatice para o negócio.

  2. Não será a verdade,é a minha opinião.
    Desde o seu princípio se soube o que a Europa Unida era e seria. Por exclusão de partes e sabendo-se quem teria de ficar de fora.
    Na Geografia do dr, Salazar estudava-se que a Europa ia do Atlântico aos Urais e do Mediterrâneo ao Mar de Barents. Que a política cegueta não visse que mais de metade dela seria excluída e fizesse os possíveis para só uma facção integrar a Europa (?),indo ao ponto de atirar borda fora a Inglaterra para a enfraquecer, não deixa dúvidas ao mais bacoco.
    A direita e a extrema direita empolgam-se ! O Trump sem cabeleira amarela e fardadinho como se manda dava um belo Mussolini ! Albânias e Etiópias já encontrou que chegasse; como o italiano, é sempre a enfardar e cada vez ronca mais grosso!
    A História vai repetir-se,agora como uma Farsa… ai de quem for apanhado nas suas cambalhotas e cabriolas ! Sempre foi assim que a Humanidade avançou !

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.