A importância da ideologia e a crise do PSD

(José Pacheco Pereira, in Público, 12/10/2019)

Pacheco Pereira

Como era de esperar, o assalto à liderança de Rui Rio surgiu outra vez com fúria e bragadoccio depois das eleições. Penso que ninguém tinha dúvidas sobre o que iria acontecer, tanto mais que esse assalto começou logo que Rio ganhou as eleições a Santana Lopes, e não esmoreceu nunca. Na verdade, os seus opositores internos deram origem a uma cisão, a Aliança de Lopes, o homem que mais jurava no peito pelo PPD/PSD e que sempre que perdia uma eleição ameaçava formar um novo partido. Actuando com dolo, visto que aceitou a proposta ingénua de Rio de dar aos seus apoiantes um número significativo de lugares no Conselho Nacional, Santana Lopes conseguiu a proeza de, sendo o nome mais conhecido entre os pequenos partidos, ter sido o único a não ter uma representação parlamentar. Mas os votos que levou, poucos que fossem, saíram do PSD.

Todos os outros putativos candidatos e os seus grupos de apoio não pararam um dia de atacar Rio. Repito mais uma vez esta coisa simples: serei o último a criticar a existência de críticos e a sua expressão pública, coisa de que não abdico, e defendo o direito de outros o fazerem mesmo que não concorde com o que dizem. Mas há uma linha vermelha entre a crítica e a organização de grupos e facções, coisa que especialistas como Miguel Relvas conhecem muito bem, e Santana Lopes institucionalizou, formando um partido competitivo com o PSD. A maioria dos opositores a Rio formaram grupos com intervenção pública, como foi o caso do Manifesto X de Pedro Duarte ou do Movimento 5.7 de Miguel Morgado. Todos receberam apoios do CDS, da Aliança, de sectores que viriam a associar-se à Iniciativa Liberal, e de lóbis comunicacionais da direita mais radical, como é o caso do Observador. Acresce que as ligações maçónicas de vários putativos candidatos também são relevantes, num partido que geneticamente tinha velhos mações, mas era anti-maçónico na base, tanto quanto era anti-comunista.

Mas não se ficaram pelas críticas e pela organização de grupos competitivos com o PSD, paralisaram várias estruturas regionais e locais, que pura e simplesmente não fizeram campanha eleitoral, seja com o pretexto das listas, seja por se porem à margem desejando um mau resultado que lhes desse a oportunidade de voltarem a tomar conta do aparelho. Rio passeou-se por um país onde o PSD está morto, ou a fazer-se de morto, e onde quase não há militância já há muitos anos. E fazer uma campanha sempre com sondagens muito negativas, e com a hostilidade da comunicação social numa unanimidade sobre a catastrófica derrota do PSD que viria aí, é muito duro.

Valeram a Rio não a rua, mas os debates televisivos e, de um modo geral, uma maior exposição comunicacional não mediada. O debate com Costa foi o ponto de viragem e a percepção de força, que até então era inteiramente favorável aos socialistas, sofreu um abalo. Depois, o caso Tancos acentuou a percepção de que, enquanto o PSD crescia, o PS ficava cada vez mais longe da maioria absoluta. Ao mesmo tempo, tornavam-se mais claras para muitos portugueses as qualidades de Rio, já que os defeitos reais ou imaginários eram conhecidos. Não custava compreender que, se a campanha eleitoral durasse mais tempo, o PSD poderia obter um melhor resultado, mesmo que não ganhasse.

Para os críticos de Rio a campanha eleitoral estava a correr mal, com o crescendo da prestação de Rio, capaz de encostar Costa à parede, e de começar a quebrar o unanimismo de matilha da comunicação social. Mas o PSD não iria nunca ganhar as eleições, pelo que de imediato começou o debate sobre os resultados, mais dentro do que fora, porque fora havia a noção de que nenhum dos candidatos putativos podia sair-se melhor. Começaram as comparações interesseiras dos resultados, sem nenhuma consideração pela ecologia da campanha. Muitas comparações dos resultados são absurdas. Uns escolhem um horizonte temporal que seja conveniente, outros esquecem o conjunto de resultados. Por exemplo, Lopes teve 28%, mas o PS teve maioria absoluta. Faz diferença, não faz?

Que os resultados de 2019 são maus, ninguém põem em causa. Mas, na sua avaliação, só tem sentido compará-los com as sondagens e os resultados eleitorais desde 2015. Passos ganhou a Costa, mas perdeu a maioria absoluta e os resultados do PSD aparecem misturados com os do CDS no PàF. Mas, quando Passos deixou a liderança, as sondagens já estavam muito longe dos resultados de 2015, com o PSD em queda livre, com a liderança parlamentar dos partidários do “Diabo”. Nas autárquicas de 2017, o PSD, num terreno favorável para o partido e sob a liderança de Passos Coelho, teve 16% a que se pode somar 8,8% em coligações com o CDS, e mais cerca de 3% noutras coligações, com um descalabro total em Lisboa. Nas europeias, o PSD teve 22%.

Por tudo isto, Rio fez um discurso à bruta na noite eleitoral, forte e feio e mais eficaz do que parece, até porque os portugueses sabem que um homem não é de pau. Agora, vai-se dar o segundo acto, aquele que é mais decisivo, visto que pode dar a Rio aquilo que ele nunca teve – tempo – ou acabar com o PSD.

Cunhal, Freitas, Soares e Sá Carneiro, os fundadores da nossa democracia, tinham todos uma sólida formação. Sabiam que a política pode ser o mais pragmática possível, mas o que define os limites e o sentido da acção são as ideias, os valores da política, o conhecimento de Portugal, a ideologia mais do que a posição. Nesse sentido, gostaria de ver os candidatos actuais à liderança do PSD fazerem um exame sobre o pensamento do homem que estão sempre a nomear – citar é mais difícil –,​ Francisco Sá Carneiro.

Entre os vivos, gente tão diferente como Rio, Jardim, Mota Amaral, Barroso, Manuela Ferreira Leite, Fernando Nogueira, Cavaco, Santana Lopes, passavam, mas duvido que os clones de Relvas, entre o avental, as manipulações nas redes sociais e os negócios, conseguissem chegar sequer ao medíocre mais. Na verdade, o que eles querem é a posse do instrumento, o partido, que lhes permite a carreira, nada mais. Exactamente aquilo que os fundadores do PPD entendiam como uma perversão da política.

Querem saber quem “deu cabo do partido”? Eles.

Colunista


Advertisements

8 pensamentos sobre “A importância da ideologia e a crise do PSD

  1. A questão ideológica do PSD é espinhosa.

    Um partido que toda a gente menos o senhor Pacheco Pereira sabe que foi sempre o líder da direita portuguesa, mas que se afirma como socialista, social-democrata, de esquerda, de centro esquerda, de centro, de centro moderado, de centro direita e de direita.

    Ó senhor, dedique-se mas é aos seus livros que isso é um partido de ALDRABÕES.

  2. O equívoco de Pacheco Pereira mantém-se.
    Como historiador que é, devia saber interpretar a chamada matriz social-democrata do PPD à luz do contexto político em que nasceu.
    O PPD-PSD nunca foi social-democrata. Os seus momentos altos coincidem com o regresso da direita ao poder em Portugal.

  3. Críticos são os outros, tu não caro Pacheco. Tu és um iluminado, não críticas, fazes comentários de alto coturno, presunção e… Lá reconheces, com esforço o direito à crítica, de outros calhordas com canudos de terceira sempre à espreita de uma oportunidade para se servirem do partido. Cada um aproveita as oportunidades como pode. Penso eu de que… Haverá maior detrator do PSD do que tu, meu caro Pacheco? Há anos que zurzes o PSD à pala do PSD sem escrúpulos nem pudor com o agravante de as pessoas te darem um credito muito superior, fruto do reconhecimento merecido de colecionador de autocolantes e outros atributos aos cais honestamente também presto o meu tributo. Seria muito mais profícuo para o PSD e sobretudo para o país que gastasses a tua energia a desmascarar o nepotismo, amiguismo, clientelismo, etc do PS e a sua teia manipuladora da opinião publicada que asfixia e aniquila a já de si débil capacidade criativa da sociedade portuguesa. Para ser 1⁰ ministro é preciso ganhar eleições e manifestamente o Dr Rui Rio não tem geito para ganhar eleições embora não tenha dúvidas que seria um dos melhores 1⁰s ministros que o país poderia ter, mas tal como o Prof. Cavaco, jamais lá chegará, a não ser em circunstâncias muito peculiares. Ou seja com o país decrepito e na total falência. O PS CONTENTA-SE com poucochinho para o país, desde que tenha tudo para si, ou melhor para os seus. A instituição é meramente instrumental o que é preciso é salvaguardar os pequenos e grandes interesses dos seus membros mesmo que para isso tenham que condenar todos os portugueses à mendicidade de um poucochinho de aumento do RSI do salário mínimo do subsídio de desemprego da pensão de sobrevivência , etc. E perante estas circunstancias enquanto a fúria da revolta não vencer a indignidade da acomodação à sobrevivência, a abstenção engorda, mas “chega” um dia em que as pessoas se podem cansar da condenação à indigência e comecem a votar em quem em meu entender não devem.

    • Você acredita mesmo nessas parvoíces ?

      Onde é que mete o Dias Loureiro, o Oliveira e Costa, o Isaltino, o Duarte Lima e tantos outros dos seus heróis salvadores da nação ?

      Você recebe dinheiro para os encobrir ou é mesmo falta de inteligência ?

    • «desmascarar o nepotismo, amiguismo, clientelismo, etc do PS e a sua teia»
      Ma como? quando há que fazer de civilizado e boas-maneiras no programa 3+1 com o portentoso Jorge Coelho?
      Ou deixar quase em branco, o bando abençoado por Mr Cavaco, adiante referido por Pedro?
      Não é o PS em si, mas o Bando Central PS-PSD, talvez ameaçado por Mr Rio.
      Missão impossível.

    • Pois, a porta-giratória entre sociedades de advogados e empresas financeiras já não conta para nepotismo. Nem tão pouco ser a colónia de férias da Europa para o querer pouco para o país, ou deixar as infrastructuras nas mãos de outros estados e fundos abutres.

  4. Este partido nasceu popular democrático. Mas depressa os fascistas, e membros da pide tomaram o partido. Os mesmos que agora se insurgem contra Rio. Fosse o resultado que fosse estes oportunistas, tomariam a posição que estão a tomar. Bem dizia uma voz da revolução. Todos no campo pequeno!! Agora temos de aturar pais, filhos e netos…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.