O dilema democrático de Von der Leyen

(Jan Zielonka, in Diário de Notícias, 22/07/2019)

Ursula Von der Leyen

A legitimidade democrática é um precioso tesouro político e a Europa está desesperadamente a tentar obtê-la. No entanto, o processo de seleção para o novo chefe da Comissão Europeia deixará muitos cidadãos confundidos. Desapareceu a única, e menor, reforma democrática dos últimos anos, que previa que o Spitzenkandidat do maior partido europeu fosse escolhido como presidente da Comissão. De regresso está o poder dos Estados membros de nomear o seu próprio candidato em negociações privadas. O Parlamento Europeu pode mostrar o seu descontentamento mas, no final, não tem alternativa viável senão concordar, como aconteceu ontem, por mais estreita que seja a margem.

O poder do Conselho costumava ser justificado em termos democráticos, porque os seus membros representam democracias vibrantes. No entanto, esta asserção torna-se duvidosa se olharmos para alguns países da Europa Central e de Leste. Mesmo os líderes de países ocidentais como a Itália, o Reino Unido ou a França estão agora confrontados com uma grave crise de legitimidade.

O sistema de representação parlamentar na Europa foi sempre opaco porque não existe aquilo a que possamos chamar um demos europeu; em vez disso, temos uma coleção solta de numerososdemos nacionais, manifestando pouca coerência e solidariedade. Além disso, o Parlamento Europeu nunca foi autorizado a controlar o governo europeu. Paradoxalmente, isso pode ser uma bênção para uma Europa integrada. O PE alberga cada vez mais políticos determinados a retirar o poder de Bruxelas e levá-lo de volta para os seus próprios parlamentos nacionais. Talvez não tenham conseguido conquistar o PE nas eleições de maio, mas têm agora a capacidade de bloquear decisões importantes no seio do Parlamento e do Conselho, como Frans Timmermans tomou consciência recentemente.

As experiências da Europa com a democracia direta mostraram-se ainda mais imperfeitas. A maioria dos referendos europeus assemelhou-se a um festival de populismo com um amplo espaço para demagogia e pouco para deliberação. Outras formas de participação direta, tais como inquéritos e petições online, diálogos cívicos ou redes pessoais, podem funcionar bem em comunidades locais ou municipais, mas são menos adequadas para um vasto espaço europeu com diferentes idiomas e preocupações.

Ursula von der Leyen não é obviamente responsável por essas deficiências democráticas da União Europeia, mas é muito aconselhável que ponha a democracia no topo da sua agenda. Von der Leyen prevaleceu sobre Frans Timmermans graças ao apoio recebido de políticos soberanistas (populistas). Eles esperam que Von der Leyen seja tão amigável com eles quanto o seu colega de partido, Manfred Weber, o Spitzenkandidat fracassado.

A posição de Von der Leyen sobre a violação do Estado de direito nos Estados membros será, portanto, o primeiro teste da sua presidência. No entanto, é difícil para a UE dar lições de democracia aos seus Estados membros se ela própria não é vista como muito democrática. O que pode fazer dadas as complicações acima mencionadas?

A UE deve começar com a questão da transparência, sem a qual as pessoas dificilmente podem controlar qualquer governo. A UE tem relações mais próximas com os lobistas do que com os cidadãos, demonstra maior determinação em reduzir os gastos sociais “excessivos” do que a fuga aos impostos, e a sua estratégia de comunicação é altamente seletiva. Soubemos recentemente que o PE desprezou uma proposta para tornar os contactos com os representantes dos grupos de interesses mais transparente, enquanto a Comissão se recusou durante meses a divulgar os resultados dos testes de emissões de veículos a gasóleo produzidos pela Porsche. Detalhes dos paraísos fiscais usados ​​pelas empresas europeias foram revelados pelo portal WikiLeaks e não pelos senhores Juncker ou Tajani. Estas são provavelmente apenas as pontas simbólicas dos icebergues, e Von der Leyen deve começar a limpar essa confusão rapidamente, tranquilizando o público europeu em relação à sua conduta imparcial e transparente.

Ela também deve identificar maneiras práticas de envolver os cidadãos no processo de tomadas de decisão. Isto não significa mais referendos, mas um sólido sistema institucional de consulta dos demos da Europa sobre os assuntos mais importantes abordados pela UE. Estas consultas devem ser genuínas e não devem ser realizadas em Bruxelas, mas em todo o continente.

A criação de uma segunda câmara do Parlamento Europeu com representantes de cidades, regiões, ONG e associações empresariais poderia também aproximar os cidadãos da UE. Esta câmara apresentaria principalmente ativistas locais e representantes sectoriais que estão mais próximos dos cidadãos comuns do que os políticos profissionais atualmente com assento no PE. Naturalmente, Von der Leyen não está em condições de criar uma segunda câmara, mas pode abraçar empenhadamente a ideia. E também pode propor dar aos cidadãos da Europa maneiras significativas de contestar as decisões que os afetam diretamente. As prerrogativas e o orçamento do Provedor de Justiça Europeu poderiam aumentar e o âmbito do contencioso privado no Tribunal de Justiça da União Europeia poderia ser alargado.

A questão mais delicada diz respeito aos poderes da Comissão Europeia em si, que muitos críticos consideram demasiado vastos e com um nível insuficiente de responsabilização. A supervisão parlamentar da Comissão é importante, mas provavelmente inadequada, dada a escala do empreendimento. Portanto, é importante pensar noutro modelo democrático-padrão, que equivale a conter e dispersar o poder centralizado. A descentralização aproxima o poder dos cidadãos e facilita a responsabilização. A UE tem mais de quarenta agências reguladoras localizadas em diferentes países e que lidam com questões tão diversas como os direitos humanos, o tráfego marítimo ou a segurança alimentar. Elas poderiam receber mais poder e recursos à custa da Comissão Europeia. Tal passo não enfraquecerá necessariamente a Comissão, mas libertá-la-á de alguns encargos atuais e reforçará a sua legitimidade.

Com a UE a ver-lhe outorgados cada vez mais poderes, há pressão para legitimar as suas decisões. No passado, o projeto europeu dependia principalmente da legitimidade da produção – o principal objetivo era tornar a Europa mais eficiente e próspera. No entanto, o crescimento económico dececionante a partir da década de 1970 e, depois, uma série de crises económicas e migratórias tornaram pertinente que a UE aumentasse a confiança na legitimidade baseada em algum tipo de democracia.

Além disso, as ondas sucessivas de alargamento da UE tornaram cada vez mais difícil chegar a decisões por consenso, pelo que as decisões maioritárias no seio do Conselho Europeu foram sendo progressivamente introduzidas. Como os Estados membros já não podem vetar certas decisões da UE, há a necessidade de legitimar as decisões maioritárias num quadro pan-europeu.

A democracia tem que ver com participação, contestação, responsabilização e representação. Eleições e parlamentos são apenas alguns dos inúmeros dispositivos institucionais possíveis para garantir a democracia. A UE não é um Estado, por isso precisamos de ser inovadores e forjar algumas experiências. A presidente da Comissão Europeia não pode, sozinha, alterar os tratados existentes, mas pode falar com convicção sobre a democracia e propor formas de a fortalecer. Os antecessores de Von der Leyen não o fizeram com convicção suficiente, e daí a atual crise de todo o projeto europeu. Esperemos que a primeira mulher chefe da Comissão não passe à história apenas como uma burocrata habilidosa, mas também como uma voz ou uma defensora do povo da Europa. Ou será muito ingénuo ter esperança em tal coisa?


Advertisements

3 pensamentos sobre “O dilema democrático de Von der Leyen

  1. Europeísmo vs EU-peísmo

    Ingénuo: esperar que gente nomeada (NÃO eleita democraticamente) se preocupe com a “democracia” na UE, é só mais um delírio dos Euro-radicais.

    Ilegítimo: sempre que algo se decide na UE à porta fechada entre “elites” de que nem os seus próprips povos gostam (ex: Macron), os Euro-radicais dizem-nos para engolir, em nome da… “integração” europeia.
    Mas sempre que há um pingo de DEMOCRACIA popular (ex: referendos sobre Constituição da UE, Brexit, petições altamente participadas contra decisões da UE, etc) os Euro-radicais acusam logo de “populista” ou do malvado “Euro-ceticismo” e mata-se logo o assunto, tal como a Inquisição matava os hereges…

    Ilegal: ao abrigo da Carta da ONU sobre os Direitos Humanos, todos os povos têm direito à Auto-determinação. E de acordo com os melhores princípios de um Estado de Direito livre e democrático, tem de haver plena separação de poderes. E numa Democracia, é o povo que decide através do voto livre.
    Ora, foi da violação destes 3 prinvípios que o regime monárquico fascista de Espanha violentou, pwrseguiu, e prendeu Catalães. Prova da coragem desses PRESOS POLÍTICOS, candidataram-se às eleições Europeias de 2019 e foram ELEITOS Euro-deputados.
    Mas o que é que os Euro-radicais do establishment fizeram? Proibiram esses ELEITOS de entrar no Parlamento Europeu.

    Ilógico: para economias diferentes devem existir moedas diferentes. Não funcionam de mais forma nenhuma. Repetir com o €uro o mesmo erro do Padrão-Ouro só tem paralelo na tentativa do regime Venezuelano tentar repetir um regime Soviético. Quatro países foram “resgatados” outros 2 tivetam meio-resgate, e mais 2 estiveram quase lá. Só nos safámos do caos porque em 2012 o Draghi, contra todas as “regras” e Tratados Europeus, fez o que era preciso para salvar a moeda (não para nos salvar a nós). Estamos no pico das ajudas do BCE e os juros parecem um conto de fadas… Mas a bolha há de rebentar e lá vamos nós outra vez…
    Só há 3 caminhos no futuro:
    1- por milagre nunca mais há Crise do Euro, mas as economias periféricas vão permanecer em morte lenta;
    2- o inevitável acontecr e a Zona Euro implode de uma vez por todas;
    3- faz-se um regresso à NORMALIDADE (i.e. moedas nacionais). Há várias formas de o fazer, com sofrimento no meio, mas é um sofrimento como o da quimioterapia: só quem o faz é que tem hipóteses de sobreviver ao cancro (e o Euro é o cancro das economias Europeias).

    Em 2 décadas (e a caminhar para 3), só tivémos “Presidentes” do PPE na Comissão, o único . Num país como Portugal, com maiorias claras de Esquerda neste período, qual a legitimidade de recebermos ordens (leis) feitas por uma Comissão (pois o “Parlamento” Europeu não tem poder de propor legislação) que nem é eleita, nem representa minimamente o nosso país? Eu digo, é uma legitimidade ZERO.

    Por tudo isto, e mais algumas coisas, eu sou hoje muito cético daquilo em que a UE se tornou, e sou 100% anti-Euto.
    Mas vou continuar a ser aquilo que sempre fui, um Europeísta, no sentido original e VERDADEIRO do termo: a favor da paz (e portanto co tra a expansão da NATO), da cooperação dos povos Europeus, da solidariedade entre países soberanos, da Democracia nacional (o único sítio onde existe), defensor do Estado de Direito, dos Direitos Humanos tal como na Carta da ONU, do progresso social e económico, e um Social-Democrata convicto que a distribuição de riqueza graças a bons Direitos Laborais, e a redistribuição de riqueza graças a impostos progressivos e bons serviçoa públicos, é o melhor sistema até hoje experimentado.
    Sou portanto Europeísta e em simultâneo EU-cético, porque a UE continua uma embalagem muito bonita, mas o conteúdo que lá colocaram dwsde Mastricht (1992) em diante, e em especial o Euro, já há muito que apodreceram.

    E “read my lips”, o problema da Europa não é o ” populismo” e muito menos o EU-ceticismo. Isso são apenas 2 sintomas causados pelo real problema: um projeto de UE elitista, opaco, não-democrático, NeoLiberal, e muito, mas mesmo muito radical, que deixou cair todos os valores do Europeísmo original. O problema da Europa são os Euro-radicais que agora se esforçam para nos fazer engolir a Ursula von der Leyen, o sistema do lobby por trás dela, e os Orbáns que a elegeram!!!

    Texto escrito por um cidadão comum (*) da zona Centro de Portugal, numa casa com o IMI em dia numa vila com 10 mil residentes, mas apesar disso e em pleno século XXI, continua sem fibra ótica, sem estrada alcatroada, sem passeios, sem ciclo-vias, sem transportes públicos, com estação de comboios abandonada, com Centro de Saúde fechado à noite, com Tribunal encerrado, e sem saneamento BÁSICO. E ao meu lado vivem expatriados que estão isentos de pagar IRS…

    Obrigado pelo “investimento”, “progresso”, ” combate à desertificação do interior”, e “coesão territorial”, meus caros amigos Euro-radicais (eleitores de PS e PSD/CDS) deste Lisbogal à beira-mar plantado. Sim, é uma segunda câmara no Parlamento Europeu que vai resolver os nossos problemas… É que é já a seguir.

    (* mas em breve mais um emigrante, que terá filhos lá fora, num país da EFTA, fora da NATO, com moeda própria, e como tal com bons sálarios, e não mais voltará a viver aqui)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.