O prédio Coutinho – ou o fascismo é um fungo

(José Gabriel, 24/06/2019)

Prédio Coutinho

Agudiza-se e caminha para o seu termo a situação do Edifício Jardim (mais conhecido por prédio Coutinho) de Viana do Castelo. Pelo seu braço/metástase Vianapólis, a autarquia local e o governo – ou governos, a coisa arrasta-se desde o tempo de José Sócrates Ministro do Ambiente – conseguem, enfim, mostrar que a cultura fascista de poder continua a ter força de lei e vive, qual fungo recorrente, no coração e no cérebro de muitos governantes.

A justificação para a demolição do prédio é puramente estética, de gosto. Poluição visual, dizem eles, sobre um edifício projectado por arquitectos, licenciado e perfeitamente legal, cujos andares foram comprados por cidadãos com as poupanças de uma vida. A estética do edifício é discutível? Todas o são. Por este critério, metade do edificado deste país seria demolido. E nem falo da praga dos clandestinos que por aí cresceram como cogumelos, sobretudo entre as décadas de 60 e 80 – há prédios da dimensão de Edifício Jardim que, clandestinos, cresceram nas barbas dos autarcas, do Estado, muitas vezes com cumplicidades mais ou menos conspícuas e ganhos mais ou menos duvidosos – que nem sombra de arquitecto viram, nem amostra de vistoria tiveram.

E ninguém os quer demolir, quanto mais não seja por respeito para com os moradores, por sensibilidade social, pela singela constatação de que os cidadãos que neles vivem não têm de passar a vida a pagar erros alheios de tempos idos. Isto, mesmo que tenha havido ilegalidades passadas, quanto mais num edifício perfeitamente legal cuja demolição não passa de um devaneio estético ditado por critérios datados. Porque fica mal, tia Batata, c’orror. 

A operação é acompanhada pela brutalidade que as imagens e as notícias mostram, com agressão a moradores idosos, que ali habitam há décadas. O último recurso das “autoridades”, perante a recusa de abandono de alguns deles, é a do corte da água e da luz. Toda esta história tresanda. Este capricho – porque é disto que se trata – vai, além do mais, custar milhões ao erário público. Sim, somos nós que vamos pagar esta alarvidade e, se a situação das vítimas não comove todos, esperemos que este facto sensibilize a maioria. 

Haverá quem conteste a classificação usada nas primeiras linhas. Mas lembro-vos que uma cultura fascista de poder vem, não raro, em casos como este, acompanhada de um discurso estético muito depurado e dotado de aparentes boas razões. E se quisermos visitar a história do fascismo português encontraremos, mesmo no que diz respeito ao património classificado, atitude semelhante. As reconstruções de edifícios civis e religiosos respeitando uma suposta pureza original que nunca existiu, a generalizada implantação de prótese dentárias e absurdos acrescentos nos castelos, a demolição da Alta de Coimbra porque o tecido urbano lá existente era esteticamente duvidoso e ficava ali bem ali uma Universidade num território “purificado” de contaminação popular e dotado daqueles abomináveis edifícios de falsa grandiosidade de que o regime se orgulhava não sei porquê, são muitos do interminável rol de exemplos. 

Advertisements

Se me perguntam se gosto do Edifício Coutinho responderei que não, que não gosto. E que, no tempo em que foi aprovado, os problemas de volumetria já seriam evidentes. Mas não é nada disto que está em causa. O prédio foi aprovado nos termos da lei e, quiçá, ao tempo, com entusiasmo pela modernidade da posposta. Os moradores investiram as suas poupanças com confiança, habitaram e, durante estes anos, fizeram da sua casa a manutenção que é visível. Trinta anos depois, são vítimas de um bando de prepotentes idiotas inspirados por um devaneio de gosto a ser pago com o sofrimento de uns e o dinheiro de todos. Nem o facto de os tribunais se terem pronunciado é atenuante; eles limitam-se a aplicar uma legislação que é, ela própria, iníqua. Nem sempre o que é legal é legítimo e, menos ainda, justo. 

E, por favor, protagonistas governantes envolvidos, não me faleis em “interesse público”, pois não fazeis ideia do que isso é. Usais essa expressão justificativa como Salazar usava o “interesse da Nação”. Deixai as pessoas em paz.


Advertisements

10 pensamentos sobre “O prédio Coutinho – ou o fascismo é um fungo

  1. «uma cultura fascista de poder»
    Um caso de “ditadura democrática”, é o que é.
    De vaidade estúpida de um autarca, de dinheiro em excesso na autarquia*.
    Cretinice semelhante à que levou aos estádios do Euro 2004. A pobre e atrasada Suiça, recuperou os existentes para evento semelhante, construindo um novo.
    * Sem Tutela, nas barbas dos 230 mandarins no circo S. Bento, qual o papel dos eleitos pela região. Nada a dizer?
    Sem Tutela das Finanças, com um PM ocupado na campanha, com um PR em viagem permanente,
    Que fazer, Votar nesta gente?

    • A primeira tentativa de demolição deu-se logo em Janeiro de 1975, quando a Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Viana do Castelo pediu 70 mil contos (350 mil euros) ao ministro da administração interna, para o efeito, sem sucesso.
      Em Março de 1990 Branco Morais presidente eleito pelo PSD anunciou que iria recorrer a financiamento comunitário para cortar o coutinho até ao sexto piso, mais uma vez sem êxito: pelas meias tintas Laranja-PSD;
      Em 2000, já Defensor Moura como presidente da câmara, eleito pelo PS, derrotando Branco Morais do PSD. José Sócrates enquanto Ministro do Ambiente do governo de António Guterres considerou aquele prédio como o um cancro e um aborto arquitectónico e como exemplo o referido prédio deveria ser demolido e ser feita a reconversão do centro da cidade de Viana do Castelo: a estética social.fascista PS.
      A bem do Regime.

  2. PAZ! O PÃO! HABITAÇÃO… ESTAMOS GOVERNADOS POR TRIBUNAIS, JUÍZES, ADVOGADOS, POLÍTICOS QUE TOCAM O LIMITE DA BESTIALIDADE. EU COMO MORADOR MORRERIA LÁ DENTRO ENFRASCADO DE MER..! MAS NÃO ME TIRAVAM DE LÁ SEM ME PAGAREM O ANDAR- CHAMEM O BERARDO PARA PINTAR A IMPLOSÃO.

  3. Eu não entro no clamor contra o “prédio do Coutinho”, mas um jornalista devia referir, entre outros factos (positivos e negativos):
    – Que a construção não corresponde ao projeto aprovado, por ter andares a mais. Foi esta a base da contestação
    – Que a contestação é muito anterior ao Sócrates!

  4. A disputa entre defensores e criticos da demolicao do predio Coutinho, dirimiu-se nos Tribunais. Os criticos da demolição perderam. É tempo de cumprir as decisōes. Nāo do Estado. Dos Tribunais!

  5. É evidente que esta situação sensibiliza as pessoas, e com a atitude das “autoridades” a terem comportamentos fascistas indignam severamente os cidadãos O autarca diz que têm de sair nem que seja à força! como é que ele faz? vai incendiar o prédio? Tudo o que se está a passar é um atentado aos direitos humanos. Entretanto o que faz o governo de Portugal? é que não ouço ninguém a presentar uma solução para este grave problema que será explosivo , eventualmente, a nível internacional caso não encontre uma forma digna de solução.

  6. […]

    “As pessoas não podem estar ali, é um edifício público, que foi expropriado e que tem de começar a ser desconstruído”, disse Matos Fernandes, acrescentando que os moradores “estão a ocupar um espaço que não é deles” e a “incumprir” uma decisão judicial. “Correm o risco de estar a cometer um crime”, reforçou.

    Nota. Quem é que considera que a soberba deste gajo mal-encarado e com voz profunda de bêbado, que agora é ministro do Ambiente e se assina por Matos Fernandes, é mais uma vez insuportável?

    Que levante o dedo, e diga-o.

    ______

    Ministro critica moradores do prédio Coutinho: “Aqui os abusados somos mesmo nós, os poderes públicos”

    No interior do edifício permanecem nove moradores que se recusam a entregar seis habitações. “Miserável”, critica advogado.

    https://www.publico.pt/2019/06/28/local/noticia/vianapolis-inicia-desconstrucao-predio-coutinho-1878006

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.