Esta direita insaciável e ansiosa

(Carlos Esperança, 15/04/2019)

Cavaco, o verrinoso

Esta direita tem os jornais, as televisões e a rádio; tem os bombeiros, os incêndios e os incendiários; tem a sofreguidão do poder e a nostalgia do “nosso Ultramar infelizmente perdido”; tem os antigos líderes como comentadores profissionais e a maior parte dos comentadores profissionais como satélites; tem as redes sociais e as redes de corrupção dos autarcas do Norte, que a Visão denunciou e a PGR ignora, mas tem Passos Coelho e Portas, Durão Barroso e Santana Lopes, Assunção Cristas e Nuno Melo, Marta Soares e Marco António. São o seu calcanhar de Aquiles.

Em períodos eleitorais esconde os mais detestáveis e mostra as estrelas da Companhia, que julga perdoadas. Ontem surgiu Durão Barroso, com o caso da quinta da Falagueira e a aventura iraquiana esquecida com a atual atividade financeira; hoje surgiu Cavaco Silva que, à semelhança de Américo Tomás, julga que o povo o ama.

Cavaco, odeia os cravos, pelo menos na lapela, e deve aos militares de Abril tudo o que foi, mas é o salazarismo que o guia e os pides o símbolo do heroísmo que aprecia. Hoje, saído da hibernação, surgiu a predizer que Portugal será a lanterna vermelha da Europa, enleado no ódio a este governo, esquecida a cumplicidade com Passos Coelho e Portas.

Ver declarações de Cavaco aqui


Este homem cuja memória anda pelas ruas da amargura esquece que a sua ministra da Saúde foi a única governante europeia impune pela compra do sangue contaminado, que colocou no gabinete o irmão Zezé que viajou para a Ásia quando o secretário de Estado, Costa Freire, foi julgado e preso e tem o despudor de acusar este governo da degradação do SNS devida ao governo de Passos e Portas, de que foi cúmplice, e cuja criação teve os votos contra do PSD e CDS.

Cavaco não é um estadista, é um algoritmo mal sequenciado, um depósito de bílis com saliva na comissura dos lábios, a destilar ódio contra a esquerda, que acaba por ajudar, pela repulsa que provoca.

Aliás, a desfaçatez e a falta de memória são a imagem de marca desta direita que resvala para a direita musculada sem precisar de Cavaco, Santana Lopes, André Ventura ou do merceeiro holandês do Pingo Doce.

Basta recordar Paulo Rangel a defender uma lei que tornasse incompatível a advocacia e a atividade parlamentar ☹ ☹ ☹.


Advertisements

3 pensamentos sobre “Esta direita insaciável e ansiosa

  1. Dado que fora do vernáculo mais truculento não consigo expressar-me sobre a execrável figura do aborígene do Poço de Boliqueime, prefiro calar-me por questão de respeito por mim.

    • Parei de ler no “essa direita tem os jornais”. Comunista quando não está mentindo, está roubando e matando. A esquerda domina todos os meios de formação de opinião, rádio, jornais, cultura, cinema, universidades, sindicatos, associaçõese até mesmo a Igreja. Utilizando a tática gramscista de ocupação gradual dos espaços dominaram tudo e promovem a revolução cultual gramscista-marxista formando um bando de desinformados lobotomizados militantes comunistas que acreditam na demonização da oposição e do capitalismo, enquanto isso a esquerda domina e destrói todas as nações onde dominam com a implantação gradual do socialismo.

  2. Cavaco de direita? Desde quando a social democracia que é centro-esquerda se tornou de direita? Só por ser a direita dos restantes comunistas? Isso não passa de um socialista covarde que seu último acto foi colocar no poder um socialista não eleito pelo povo, Costa foi eleito igual Hitler.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.