COMO PODE (dgie)? Ou O SÍNDROME DE ESTOCOLMO (revisitado)!

(Joaquim Vassalo Abreu, 07/11/2018)

juizo

Já uma vez aqui escrevi acerca deste síndrome, mas em contexto claramente diferente, como poderão (ver aqui), mas desta vez num âmbito um pouco diferente, mas tendo como base a essência do célebre síndrome: o que leva um preso, cadastrado ou um privado da sua Liberdade a acabar por se relacionar com o o seu carrasco ou, neste caso, um votante votar em quem sempre o oprimiu e oprime…como se a sua memória, ou a memória colectiva, não existissem?

Ou, de outro modo, quem tendo sido escorraçado da sua Pátria por quem lhe tirou ou sugou todo o seu suor, a ela volte, ou não, mas continue a votar, nunca saberei em nome de quê, e mesmo que o saiba nem acredito que o sei ( uma questão quase clubistica?), naqueles mesmos que os escorraçaram…é algo que, como justificação ou razão, apenas poderei reportar para o célebre síndrome…porque para o racional entendimento  nunca poderei reportar…

Mas um síndrome de que nunca padeceram os velhos resistentes, aqueles que durante anos e anos foram mortificados nas cadeias, nas cadeias para onde os mandaram privando-os da Liberdade e da Vida ( para além da Família…), apenas por lutarem pelos seus, pelos mais fracos, por aqueles que, mesmo tendo vontade, ainda tinham um conhecimento da “politica” e da relação de Classes ainda sofrível, mas tinham um sentimento e um conhecimento enormes das Injustiças!

E sinto pena, muita pena, que muitos povos de muitos países, o nosso inclusive, a quem pelos vistos não lhes foi ensinada a História, a História do seu País e do Mundo, e ainda das suas Famílias, perante um problema actual, um problema em que toda a sua cultura Humanista, Histórica, e de abraço com a Verdade deveria ser dirigida para a sua elevação, dirija os seus votos a favor dos carrascos dos seus avós, dos seus pais e de muitos dos seus parentes, em nome de uma simples coisa: do seu ocasional egoísmo!

Mas que, de imediato, se verifica, e eles próprios logo verificaram, ter sido o seu acto apenas dirigido pelo ódio…A quem? A quem sempre os defendeu mas que, em determinado momento histórico, os desiludiu! Com toda a razão o pensaram mas sem qualquer razão esse ódio executaram. Porquê? Porque o seu ódio circunstancial obviou o retorno ao poder de quem sempre os renegou e baniu… E que, de imediato, os informou de que, pese o seu voto, os continuaria a banir…

Pois é… e aqui estamos! Lindo serviço fizeram os eleitores da emergente Classe Média Brasileira que agora resta como réstia da esperança de alguma vez lá entrar…Os que desejando paz nos bairros e nas Favelas votou numa arma em cada casa e na militarização dos seus bairros…Os que desejando uma Escola Pública decente e progressiva, acabaram por votar num espécime chamado Frota que, instado pelo seu mestre, proclama uma arma em cada escola e o abandono de tudo o que sejam culturas humanísticas, isto é, Marxistas, segundo eles!

Ora tudo isto demonstra uma tremenda incultura política, uma tremenda iliteracia acerca de tudo o que seja Social e, acima de tudo, um conservadorismo tão profundo, tão arreigado e tão antiquado que, mesmo observando a actualização das pessoas com os aspectos mais fúteis dos tempos, nada lhes conseguimos ver nem quanto à Cultura, nem quanto aos Costumes, nem quanto ao viver em Sociedade, que implica o dar e o receber, o aceitar e o promover, o reclamar e o propor, o perceber e o instar, o exigir e o condescender, em suma tudo isso o que faz a Democracia e o que nos faz sentir parte integrante da mesma…

Mas saber-se que se vai votar e, de imediato, se vai arrepender, simplesmente por um desejo punitivo que, também de imediato, se sabe se vai virar contra si próprio; saber-se que, no fundo, se está a entrar num terreno deveras perigoso e, mesmo assim, se resolve experimentá-lo, com o imediato arrependimento, já se sabe e de quem já o sabia…além de triste é doentio!

Mas, pior ainda, votar-se sem saber de nada; votar-se sem nunca ter ouvido nada; votar-se sem nunca ter escutado alguém que alguma vez lhe tivesse ensinado fosse o que fosse; votar quem na vida só sabe o que é obedecer e quem, pior ainda, na vida só anseia ser como o rico, como o patrão…e vota nele?

Perdão para todos eles…não sabem o que fazem, mesmo fazendo mal, muito mal…até a si próprios! Como pode?

Mas pode…


Fonte aqui

Anúncios

4 pensamentos sobre “COMO PODE (dgie)? Ou O SÍNDROME DE ESTOCOLMO (revisitado)!

  1. Da série “Os grandes títulos da imprensa de hoje”

    Um fascista eleito não é um democrata | Opinião | PÚBLICO, artigo de Francisco Assis.

    Existe ainda no nosso
    país um significativo
    perímetro da direita cujas
    convicções democráticas
    são, no mínimo, débeis

    Fonte: P., 8.11.2018, p. 44.

    Nota, Aqui está um tipo que, de vez em quando, deveria estar nas parangonas d’A Estátua de Sal, Manuel G.

    https://www.publico.pt/2018/11/08/politica/opiniao/fascista-eleito-nao-democrata-1850289

    Gostar

      • Pois, mas neste assunto eu vi-o a bater o pé a um jornalista, na SIC N, com o argumento de que o sistema brasileiro seria, como é, a duas voltas e que, portanto, a taxa de rejeição que todas as sondagens atribuíam ao candidato Jair Bolsonaro nunca permitiria que um tipo desse calibre fosse eleito. Mesmo contra o Rato Mickey*, suponho, como diria a falecida Maria José Pinto da Cunha de Avilez Nogueira Pinto.

        Como se sabe, enganou-se redondamente, e, militantemente, anda agora a dizer coisas acertadas (depois de um erro político e depois de se espalhar ao comprido, se formos mauzinhos) pelo que está, também ,a fazer o seu mea culpa .

        Convém, no entanto, estar atento ao que ele diz, sendo posteriormente bonzinho, tal como sugiro qu’A Estátua de Sal o esteja ao espaço que a Ana Gomes ocupa, em directo, na SIC N (em vez de andarem freneticamente pela CMTV, tu e o Ferreira Fernandes, que da outra maltinha da Renex do #Twitter e da blogosfera indígena não se espera que façam quase nada de substancialmente diferente…) e, mesmo, do Paulo Rangel nesta sua passagem pelo PE porque, todos eles e naquilo que é essencial sobre a mancha das extremas-direitas à escala europeia e nas américas inglesas, espanholas e portuguesas, dispõem de muita informação importante e percebe-se que… têm mundo.

        Coisas que, como diria o J. Collaço, nesta pilhéria quase não há.

        Asterisco, em homenagem.

        Gostar

        • Nota, prévia.

          Só para ficar registado nos anais d’A Estátua de Sal, Manuel G, que vem no seguimento do que disse anteriomente:: de um lado a lucidez intelectual de Francisco Assis (e do Francisco Teixeira da Mota), do outro a personagem Valupiana e o grau zero da decência (da seriedade, que também pode ser)..

          Anda Moro na costa… | Opinião | PÚBLICO, artigo de Francisco Teixeira da Mota hoje.
          https://www.publico.pt/2018/11/09/mundo/opiniao/anda-moro-costa-1850341
          ______

          Chico Mota no Dia Internacional contra o Fascismo
          9 NOVEMBRO 2018 ÀS 16:56 POR VALUPI

          Valupi, larga o vinho (deixa de dizer bacorices e fecha esta merda, pá)!

          Nota. Sempre é melhor do que o teu post bronco sobre o resultado das eleições no Brasil. Um grama de seriedade, e não te esquecias disso.

          Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.